Salvador, 25 de June de 2019
Acesse aqui:                
Banner
facebookorkuttwitteremail
Começou Mal... Conferência de abertura do ciclo “Fronteiras do Pensamento” Por Fernando Conceição
Ajustar fonte Aumentar Smaller Font
Cultura
Seg, 24 de Março de 2008 09:09
Vendida, literalmente, como o grande passo rumo à redenção baiana ao que há de mais importante no pensamento intelectual contemporâneo, a série de conferências denominada "Fronteiras do Pensamento" começou mal na noite de terça-feira, 18 de março, em Salvador. Bernard-Henry Lévy (BHL), em duas horas de fala no Teatro Castro Alves, pregou como um pastor em púlpito de igreja, embora ele seja judeu. Ele queria convencer a platéia de que o iluminismo francês e a democracia burguesa daí advinda são a pérola da coroa para se pensar o mundo, mesmo nos dias de hoje.

Há uma piada em círculos intelectuais estadunidenses segundo a qual o único intelectual francês que leva a sério um intelectual francês é o próprio. Lévy, que se afirma francês embora tenha nascido na Argélia - e é importantíssimo destacar isso -, aos 59 anos exprime uma fé inabalável à importância da produção intelectual francesa nos destinos da humanidade. O povo argelino, que teve de pegar em armas contra a França numa das mais sangrentas páginas da história anti-colonial africana, que o diga. Em nenhum instante BHL menciona tais fatos, como se nunca tivesse ouvido falar de Frantz Fanon ou Albert Camus.

No evento no TCA patrocinado pelo grupo petroquímico Braskem, BHL se propôs a falar sobre "o papel dos intelectuais" nos dias correntes, a partir de sua visão de mundo. Esta é nada isenta e contém um ranço de uma pretensa superioridade qualitativa. Parte do pressuposto de que a França, ainda hoje, seria o celeiro das luzes - o que, na verdade, os fatos históricos desmentem. Desde pelo menos os anos 1970 a França perdeu o bonde da história, com o seu reacionarismo anti-americano e anti-inglês que a fez um dos últimos países modernos a aderir, por exemplo, à Internet, somente o fazendo depois de 2002 (sic!).

Para ele nenhum intelectual seria realmente sério se em seu trabalho não considerar "4 eventos" que BHL considera fundantes. Passou então a numerá-los, um a um, sem qualquer objetividade - como recomenda o palavrório do intelectual francês. O maior desses eventos seria, coitados de nós, o nazismo. Lévy quer nos asseverar que não seria possível pensar intelectualmente sem entender o genocídio judeu como pilar central no entendimento da humanidade ontem, hoje e sempre.

O segundo, aquilo que genericamente denominou "Maio de 68". A partir das manifestações de rua de sua Paris, o filósofo francês tentou nos ensinar que teria nascido "um anti-totalitarismo radical e de esquerda" que influenciou o mundo moderno. A "revolução cambojana" - pasmem! - foi enumerada por ele como o terceiro maior evento para se pensar intelectualmente. Nessa fase de sua conferência, então, fez digressões absolutamente absurdas sobre um suposto homem novo cambojano que, evidentemente estudando Lacan e Freud em Paris, embebido pela "lingüística estrutural", retorna ao miserável Camboja para empreender aquilo que BHL denominou "a primeira revolução realmente séria não da Ásia, mas de toda a humanidade". É mole, santa?!

Já no anti-clímax de sua pregação, o filósofo disse acreditar que o quarto evento a ser considerado é a tendência contemporânea, segundo ele, de se estabelecer na atualidade uma visão clínica para os problemas sociais. Estaria então instalada a ditadura "da cura". Na qual a política seria substituída por proposições medicinais ou religiosas.

Ele, revelando uma tendência à quadratura, ressaltou ainda mais "4 eventos menores" que influenciariam a atividade intelectual - ao menos a dele: a guerra da Bósnia, as "guerras esquecidas" em andamento na África ou na Ásia, o confronto com o que ele chamou de "mau Islã", e a batalha em defesa da universalidade da democracia a partir dos seus fundamentos eurocêntricos.

Tudo isso foi dito sem que o sujeito manifestasse qualquer incerteza, qualquer dúvida, como se o trabalho intelectual se afirmasse por dogmas. Os organizadores do ciclo de conferências, cujas edições anteriores estiveram restritas a Porto Alegre (RS), estão diante de um problema - mesmo que suspeitem do provincianismo baiano. Criaram uma expectativa sobre o evento que uma análise mais acurada sobre o papel de cada um dos palestrantes vindos ou a vir se incumbe de destruir. A lista inclui Wim Wenders, David Byrne, Christo e Jeanne-Claude, Philip Glass, Charles Melman e Luc Ferry - todos lídimos representantes da lógica de raciocínio do hemisfério norte.

Ah, sim, minto: incluíram também Ayaan Hirsi Ali, da Somália. Ela tem cidadania holandesa, onde atua no parlamento, mas atualmente está em asilo político numa universidade dos Estados Unidos, depois de ameaçada por um fanático que assassinou em Amsterdã o cineasta Van Gogh, que baseou um seu documentário nas história de Ali. Ela renega o islamismo - embora a base do discurso que a transformou em vítima dos mulás contenha uma série de mentiras e fantasias, como já revelado no início de 2007 pela revista "The Economist".

Enfim, como já escreveu o poeta Geraldo Maia, visões colonialistas, travestidas de uma retórica academicista, já não convencerão os que pagam para ouvir idéias. Na estréia do "Fronteiras do Pensamento", o público fartou-se apenas de jargões antigos sobre uma questionável razão universal do mundo que adviria dos Champs-Élysées.

Compartilhe:

 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

O MELHOR DO ALDEIA NAGÔ NO SEU EMAIL

CADASTRE-SE EM NOSSO NEWSLETTER:

FOTOS DOS ÚLTIMOS EVENTOS

  • 06.03.19.163Patuskada para Exu Bouzanfrain. 06 Mar 2019
  • 05.03.19.161Carnaval no Pelô. Alb 2. 05 Mar 2019
  • 05.03.19.063Carnaval no Pelô. Alb 1. 05 Mar 2019
  • 04.03.19.304-1Ilê Aiyê. Campo Grande. Alb 2. 04 Mar 2019
  • 04.03.19.259Ilê Aiyê. Campo Grande. Alb 1. 04 Mar 2019
  • 04.03.19.181Mudança do Garcia. Festa Ednice. 04 Mar 2019

Parabéns Aniversariantes do Dia

loader
publicidade

ENSAIOS FOTOGRÁFICOS

GALERIAS DE ARTE

HUMOR

  • Lava Jato_1
  • Categoria: Humor
Mais charges...

ENQUETE 1

Qual é o melhor dia para sair a noite?