Salvador, 04 de August de 2020
Acesse aqui:                
facebookorkuttwitteremail
Erro
  • Your server has Suhosin loaded. Please follow this tutorial.
Festas, Temporalidades e Poder por Antonio Godi
Ajustar fonte Aumentar Smaller Font
Cultura
Qui, 13 de Janeiro de 2011 15:31
Diante de mais um ciclo de festas do verão baiano fui motivado a minerar em minha humilde biblioteca questões sobre o tema. E nas estantes empoeiradas de letras e lembranças marcadas por leituras tantas descobri uma pérola. O livro, Festas Tradicionais da Bahia, escrito por Jayme de Faria Góes publicado pela gloriosa Livraria Progresso Editora em 1961. Essa obra hoje rara dá conta das festas baianas através de um relato poético do autor acompanhado por desenhos em nanquim de importantes artistas do período. A saber: Lênio, Caribé e Hélio Aguiar. Parece pouco, mas é muito o que lemos e vemos no suporte bidimensional de nós tantos nesse livro. Parece pouco pela obra não dar conta da historiografia e antropologia das nossas festas. Mas é grande na dimensão de uma poética e imagética daquilo que buscamos ser.  Gosto da pegada estética desses antigos poetas e artistas. Entretanto, nossas festas guardam fossos agonísticos e trincheiras socioculturais a serem decifradas. Infelizmente, nem os textos poéticos nem a firmeza dos traços em nanquim do célebre livro desnudam a complexidade dos conflitos históricos de nossas festas populares.                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                          

As nossas festas de largos e desconhecidos verões e invernos guardam profundos mistérios de nós. Entre os dias 20 e 21 de dezembro de 2010 passamos pelo  Solistício de Verão  e poucos de nós sabem qual o movimento do corpo primacial de todos que respiram nessa nave misteriosa que chamamos Terra. Essa casa alargada que displicentemente habitamos e muitas vezes violentamos esta a circular em torno da luz e calor do Sol. Nós passageiros alienados até pensamos que movemos nossos corpos e vidas para lugares tantos. Sem nos darmos conta que transitamos na superfície de um astro vivo num movimento de forças determinantes. A alienação do humano é primacial logo o conceito materialista dialético visando forças sociais chega atrasado no movimento das existências plenas.

Forças e sinais cósmicos emanados da complexidade do universo em constante trânsito. Pode- se acreditar que a constituição da pluralidade de nós está colada ao sentido e idéia de tempo. O tempo enquanto percepção do movimento da existência é a grande descoberta e construção da humanidade. Todos os seres humanos do planeta manifestaram a capacidade de sentir e codificar o movimento de nós entre cenas alargadas nas brechas negras e luminosas da universalidade. Uma humanidade trans-histórica lendo cosmicamente sinais de temperatura e luz a criar paradigmas de temporalidades. Todos humanos construíram o conhecimento de nós através da constatação passível de codificação em calendários tantos.

Construções inequívocas da igualdade, complexidade e multiplicidade do que insistimos em ser.  O homem em sua pluralidade qualifica-se na construção de calendários e perspectiva do devir. Entretanto a modernidade colonialista fundou expedientes de ritmos de vida marcados pela dominação e exploração. Trata-se do calendário Gregoriano que unificou matematicamente os diversos paradigmas de tempo de ethos tantos e do calendário litúrgico a demarcar nossas festas populares. A conjunção desses dois calendários guarda a ação etnocêntrica mais contundente do colonialismo e capitalismo moderno.

As nossas festas são frutos das muitas ações evangelizadoras e colonizadoras da história cultural brasileira. Cenas sociais de nós conquistando e reconfigurando sociabilidades de uma multiplicidade humana inusitada. È incrível como que os historicamente submetidos passam a ser o foco da representação de nós. É crível constatar que através da percussão de nossas peles étnicas e tambores fizemos uma revolução cultural inusitada. Assim, tem sido e sempre será. Nós habitantes de um planeta melodioso e colorido protagonistas de cenas plásticas, sonoras e festivas a destronar poderes colonialistas e capitalistas. Aí, o "couro come no centro" através das águas sagradas do Bonfim tendo a percussão de todos nós com o tema do carnaval de 2011.

Antonio Jorge Victor dos Santos Godi (Ator, antropólogo e Prof. UEFS/DCHF/NUC)

Compartilhe:

 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

O MELHOR DO ALDEIA NAGÔ NO SEU EMAIL

CADASTRE-SE EM NOSSO NEWSLETTER:

FOTOS DOS ÚLTIMOS EVENTOS

  • 24.02.2020.371Desfile Ilê Aiyê. C Grande. Alb 4. 24 Fev 2020
  • 24.02.2020.324Desfile Ilê Aiyê. C Grande. Alb 3. 24 Fev 2020
  • 24.02.2020.205Desfile Ilê Aiyê. C Grande. Alb 2. 24 Fev 2020
  • 24.02.2020.042Desfile Ilê Aiyê. C Grande. Alb 1. 24 Fev 2020
  • 24.02.20.199Mudança, Magary, Motumbá. C. Grande. 24 Fev 2020
  • 24.02.20.025Didá & Respeita as Minas. Campo Grande. 24 Fev 2020

Parabéns Aniversariantes do Dia

loader
publicidade

ENSAIOS FOTOGRÁFICOS

HUMOR

  • Ano sagrado de Dois Mil e Netflix_1
  • Categoria: Humor
Mais charges...

ENQUETE 1

Qual é o melhor dia para sair a noite?