Salvador, 09 de August de 2020
Acesse aqui:                
facebookorkuttwitteremail
Erro
  • Your server has Suhosin loaded. Please follow this tutorial.
Singela homenagem a Jorge Amado, 99,100 por Xico Sá
Ajustar fonte Aumentar Smaller Font
Cultura
Seg, 15 de Agosto de 2011 12:31
jorge.jpgPendores exageradamente graciliánicos me fizeram demorar a gostar de Jorge Amado. Que erro. Primeiro porque um não exclui o outro. Segundo porque eram os melhores amigos. Assim na literatura como na militância comunista.

Mas como hoje em dia eu aprecio este homem.

Como escrevia fácil e sem frescura literária o marido de dona Zélia. Como sabia contar uma história com cheiro de dendê e coentro.

Há também um cheiro de cominho a cada página. Que me desculpe aí seu Proustizinho, mas a escrita de Jorge é a mais cheirosa do universo.

Dá vontade de agarrar a nega na cozinha, quando o tempero da comida sobe, saborear-te, como no trocadilho que domina a culinária de Dona Flor, aquela peste capaz de endoidar o cabeçote de qualquer sujeito.

Como era gostosa no papel, mesmo antes de ser Sônia Braga nas telas.

E como é delícia agarrar uma mulher que a gente ama por trás na cozinha o tempero subindo nos ares. Dá aquela encoxada, experimentar o caldinho que amolece o peixe, tomar uma cachaça e dizer pro horizonte, de modo que o pescador escute, "que vidinha mais ou menos me deste, Deus".

Como o camarada Jorge botou, como nenhum um outro escritor brasileiro, sexo na nossa prosa.

Como brincou também de entretenimento, coisa que muito falta na nossa escrita, segundo reclamou um dia, cheio da razão, o sábio crítico e poeta José Paulo Paes.

É, meu velho e bom Jorge, nunca esquecerei teu olho molhado de amor olhando pra Zélia, quando me recebeste para uma entrevista na tua casa, finalzinho dos ditos anos 80. Piscou pra mim e disse: "Se for amor, assenta a poeira e demora".

Só agora eu entendo disso. Acho.

Como escrevi hoje para o Correio da tua Bahia, Jorge, só existem dois tipos de homens, amigo, os Vadinhos e os Teodoros.

Ou se é um ou se é o outro.

O primeiro não presta, mas derrete o coração das mulheres com a sua canalhice; o segundo é um cabra direito, virtuoso, o objeto de desejo de uma fêmea quando está sofrendo, no dia-a-dia do lar, com um macho desmantelado.

Os dois se completam. Os Vadinhos jogam, bebem e são raparigueiros, piolhos de cabarés, só voltam para casa quando fecha a última barraca do mercado do Peixe, o único mercado à prova de crash.

Os Teodoros não deixam faltar nada em casa, homens corretos, responsáveis, cumpridores dos seus deveres.

Como de besta não tinha nada, Dona Flor, por força da quentura do corpo e de alguma espiritualidade, conseguiu o milagre de viver com os dois maridos ao mesmo tempo, o safado e o virtuoso. Ô morena gulosa.

Mas fez por merecer em vida o banquete, a moqueca de macho fervida no óleo da testosterona. 

Fora dos livros e do cinema, pode ser que o esquema não funcione a contento, mas Jorge Amado realizou o desejo secreto das  mulheres, aquela vontade guardada lá no fundo do pote do juízo.

Grande Jorge, o homem que inventou a ideia de Brasil para os estrangeiros e também para os nativos que o desconhecem. Grande.

Hoje é dia de Jorge, dia de tomar uma com o mulato Porciúncula, aquele dos olhos sempre em brasa de tanta cachaça. Dia de imitar o Quincas Berro D´Água. Dia de lembrar a Gabriela, a do livro, da novela ou do filme, trepando no telhado, rumo à cumeeira do gozo imaginado.

Dia da pureza e da safadeza de Jorge.

Hoje começa o ano do centenário de nascimento do marido de dona Zélia.

Que amor lindo e eterno viveram os dois. Uma lição pra esse povo todo que vive se estranhando.

O menino grapiúna faria agorinha mesmo 99 anos de vida. Faria não, fez, está vivinho e aceso nas Tietas que vão e voltam, está vivinho na sua profecia social dos Capitães de Areia, hoje zumbis perdidos na fumaça azulada do crack.

Jorge vive no suado bate-coxa das negras de todas as cores que descem e sobem ladeiras. Ele inventou, entre nós, esse vício bom danado de gostar tanto das moças. Docemente morrerei disso.

Compartilhe:

 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

O MELHOR DO ALDEIA NAGÔ NO SEU EMAIL

CADASTRE-SE EM NOSSO NEWSLETTER:

FOTOS DOS ÚLTIMOS EVENTOS

  • 24.02.2020.405Desfile Ilê Aiyê. C Grande. Alb 4. 24 Fev 2020
  • 24.02.2020.272Desfile Ilê Aiyê. C Grande. Alb 3. 24 Fev 2020
  • 24.02.2020.161Desfile Ilê Aiyê. C Grande. Alb 2. 24 Fev 2020
  • 24.02.2020.008Desfile Ilê Aiyê. C Grande. Alb 1. 24 Fev 2020
  • 24.02.20.225Mudança, Magary, Motumbá. C. Grande. 24 Fev 2020
  • 24.02.20.065Didá & Respeita as Minas. Campo Grande. 24 Fev 2020

Parabéns Aniversariantes do Dia

loader
publicidade

GALERIAS DE ARTE

HUMOR

  • A Justiça brasileira_1
  • Categoria: Humor
Mais charges...

ENQUETE 1

Qual é o melhor dia para sair a noite?