Salvador, 22 de September de 2021
Acesse aqui:                
facebookorkuttwitteremail
Erro
  • Your server has Suhosin loaded. Please follow this tutorial.
Vinicius de Moraes: Viver cada segundo, por Zuenir Ventura
Ajustar fonte Aumentar Smaller Font
Cultura
Sáb, 19 de Outubro de 2013 18:41

Zuenir_Ventura2O Museu da Imagem e do Som promoveu esta semana o seminário “Vinicius centenário”, reunindo durante um dia, em três mesas, 13 pessoas que tiveram alguma ligação com o homenageado ou com sua obra.

Só assim pôde contemplar os vários aspectos dessa figura plural — tão plural que o cronista Sérgio Porto apresentava como “prova” o fato de que, se ele fosse apenas um, não se chamaria Vinicius de Moraes, mas de Moral.

Os debates abordaram Vinicius como poeta, como músico e como homem do mundo. Participei desta última como mediador dos convidados Miguel Faria Jr, autor do magnífico documentário sobre o amigo; Marcos Azambuja, diplomata como seu colega de Itamarati, com quem conviveu em Paris; e Gilda Mattoso, a última paixão do poeta.

O que ficou de melhor desse convívio? Se pudessem resumir, coisa impossível, o que ainda sentem em relação a um personagem tão rico, os três convergiriam para um ponto comum: a irrestrita admiração.

Vinícius de Moraes

Gilda destaca do ex-marido a generosidade e o bom humor: “Ele costumava brincar dizendo que preferia alguém sem caráter do que sem humor.” Miguel, que foi casado com Susana de Moraes, ressalta no ex-sogro a capacidade de se reinventar: “E, sempre patrulhado, eram transformações sofridas.” A Azambuja, o que mais impressionava era a modéstia com que Vinicius procurava se mostrar menor do que era: “Ele camuflava sua cultura.” Isso ajudava a alimentar uma certa visão folclórica que fazia do poetinha um poeta menor, ele que é um dos mais refinados sonetistas da língua poética de Camões.

Sua aventura existencial foi tão excitante, com suas libações etílicas, seu desprezo à solenidade, sua ampla liberdade sentimental, seus nove casamentos e sua renovada disposição de se apaixonar, que não raro fez sombra à sua arte.

Carlos Drummond de Andrade me confessou numa entrevista de 1980 que invejava no colega a independência de espírito e a falta de compromisso com as convenções sociais: “Ele fazia o que queria e sempre com aquela doçura, aquela capacidade de encantar que fazia com que as donas de casa mais severas o adorassem.”

De fato, além das lições de poesia e de música, ficaram dele as de vida, do carpe diem, do aqui e agora. Seu ensinamento está contido em três versos:

“E a coisa mais divina

Que há no mundo

É viver cada segundo.”

Artigo publicado originalmente em http://oglobo.globo.com/pais/noblat/

Compartilhe:

 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

FOTOS DOS ÚLTIMOS EVENTOS

  • 24.02.2020.412Desfile Ilê Aiyê. C Grande. Alb 4. 24 Fev 2020
  • 24.02.2020.245Desfile Ilê Aiyê. C Grande. Alb 3. 24 Fev 2020
  • 24.02.2020.199Desfile Ilê Aiyê. C Grande. Alb 2. 24 Fev 2020
  • 24.02.2020.044Desfile Ilê Aiyê. C Grande. Alb 1. 24 Fev 2020
  • 24.02.20.152Mudança, Magary, Motumbá. C. Grande. 24 Fev 2020
  • 24.02.20.011Didá & Respeita as Minas. Campo Grande. 24 Fev 2020

Parabéns Aniversariantes do Dia

loader
publicidade

ENSAIOS FOTOGRÁFICOS

GALERIAS DE ARTE

HUMOR

  • Ano sagrado de Dois Mil e Netflix_1
  • Categoria: Humor
Mais charges...

ENQUETE 1

Qual é o melhor dia para sair a noite?