Salvador, 23 de October de 2018
Acesse aqui:                
facebookorkuttwitteremail
A implosão do Departamento de Estado por André Araújo
Ajustar fonte Aumentar Smaller Font
Comportamento
Ter, 06 de Fevereiro de 2018 04:08

Andre-AraujoO Departamento de Estado é o mais antigo ministério do governo americano, criado em 1789. O Secretário de Estado é o terceiro na linha de sucessão do Presidente dos EUA e chefia um enorme organismo com seis Subsecretários para Armas, Direitos Humanos,

Assuntos Econômicos, Administração, Assuntos Políticos e Assuntos Diplomáticos, tem 17 Enviados Especiais para temas estratégicos, 17 Representantes Especiais para temas específicos, 6 Embaixadores Extraordinários para assuntos de situação, 14 Coordenadores de questões de crises permanentes e conflitos localizados, 7 Conselheiros Políticos e 63 chefes de Birôs de seis  áreas geográficas do planeta como a do Hemisfério Ocidental, zona contínua que vai do Canada à Argentina, englobando o Brasil.

A Administração Trump nunca teve  uma agenda para relações internacionais e portanto não dá importância alguma ao Departamento de Estado, hoje chefiado pelo ex-CEO da Exxon, Rex Tillerson. Sem agenda para essa área crucial, Trump também não tinha nomes para a vasta máquina diplomática. A partir desse vácuo poucos nomes foram indicados porque Trump e seu grupo conhecem poucos nomes de especialistas. Sem indicar nomes os cargos passaram a ser chefiados por interinos, como o que cuida do Brasil, o Bureau do Hemisferio Ocidental, antigo Assuntos Latino Americanos, chefiado desde o primeiro dia do governo Trump por um Francisco Palmieri, funcionário permanente do Departamento. O nosso conhecido Thomas Shannon, que foi Embaixador dos EUA em Brasília até o governo Dilma e era o nº 3  na hierarquia do Departamento (Subsecretario de Assuntos Políticos) no segundo mandato do governo Obama, acaba de se aposentar, um dos últimos profissionais de alto nível no State, foi ocupante desse cargo no Governo Obama.

Por trás desse descaso com o Departamento de Estado está a visão de mundo de Trump ou melhor a falta de qualquer visão de mundo, Trump desconhece rudimentos de geopolítica e da História que lhe dá embasamento.

Diplomacia é em larga medida memoria e acumulação de ações que vem de um longo passado, para dominar a área é preciso ter o registro da História antiga e recente, Trump simplesmente não conhece e não registra esse enorme campo de ação do Governo dos EUA.

Outros Presidentes também tinham escasso capital intelectual diplomático, como Truman e Reagan, mas partiam da plena consciência disso e se aconselhavam com o grandes nomes da área e com os especialistas do Departamento de Estado. Já o Presidente Trump simplesmente não opera desse modo, age no completo improviso em relações internacionais, uma área da politica onde não há o menor espaço para improvisar porque cada ato gera reação de outros atores da arena internacional cuja repercussão é preciso prever com antecedência, cada ação gera uma contrarreação.

Há um outro importante organismo em Washington que também opera na área de planejamento estratégico em relações internacionais, o Conselho Nacional de Segurança da Casa Branca. (NSC), organismo de assessoramento direto do Presidente, seu chefe tem o titulo de Assessor de Segurança Nacional do Presidente.

O espaço do NSC em relação ao Departamento de Estado é cambiante, depende do Presidente. Às vezes o NSC tem voz mais forte que o State em áreas de conflito, como por exemplo a guerra da Síria e as ameaças da Coreia do Norte, temas macro estratégicos de crises perigosas que exigem uma visão mais geopolítica e militar do que a diplomacia regular de relações normais entre Estados.

BRASIL E MÉXICO, POTENCIAS REGIONAIS

Dos anos 30 até os anos 80 a América Latina teve dois interlocutores de peso em Washington, por razões diversas. O México moderno nasceu de uma Revolução em 1910 e tornou-se o farol da esquerda latino-americana. O México estatizou seu petróleo em 1938 e tornou-se desde então uma fortaleza da esquerda continental, na Guerra Civil Espanhola era o refúgio dos Republicanos, recebeu mais de 300 mil refugiados da derrota contra o General Franco e nunca reconheceu o governo franquista, só restabeleceu relações com a Espanha após a morte de Franco. Foi no México que nasceu a Revolução Cubana de Fidel Castro e por décadas o México teve uma politica exterior confrontacionista com Washington e disso se orgulhava.

Mas a partir dos anos 80 esgotou-se o ciclo revolucionário e o México tornou-se uma das principais plataformas neoliberais americanizadas, deixou de ser potencia ideologicamente forte para ser uma zona franca dos EUA, hoje colhe as consequências do desprezo trumpista que cuspiu na cara desse Pais icônico ao propor um muro, como a separar leprosos de puríssimos americanos.

A outra e muito mais importante potencia regional foi o Brasil, único Aliado dos EUA a enviar tropas na Segunda Guerra em boa escala, infantaria mais artilharia e mais aviação, ÚNICO pais latino-americano a ter essa participação REAL que não foi pequena. Como Pais aliado foi convidado a ser a potencia ocupante da Áustria no fim do conflito, o governo Dutra não aceitou para assim confirmar sua mediocridade estratégica.

Desde então o Brasil teve em três fases uma politica externa independente de potencia regional, no Governo JK, no governo militar de 1954 e no governo Lula. O Brasil nesses três períodos teve fases de protagonismo importante, JK por sua iniciativa criou a Aliança para o Progresso e o Banco Interamericano de Desenvolvimento, o Governo Militar de 64 operou forte presença na África portuguesa e no Oriente Médio, enfrentou os EUA na questão nuclear e no reconhecimento de Angola.

No governo Lula o Brasil se projetou por toda a América Latina e África, com presença importante econômica e geopolítica, havia um projeto de áreas de influência concreto, depois liquidado pela cruzada moralista.

Hoje o Brasil se encolheu a um nível desprezível de presença estratégica internacional, está na escala do Paraguai ou pouco mais que isso, não se afirma, não age, se esconde para não ter que atuar em questões chaves.

O BRASIL NO GOVERNO TRUMP

O Secretário de Estado Rex Tillerson iniciou em 1º de fevereiro sua primeira viagem pela América Latina, México, Jamaica, Colômbia, Peru e Argentina. Assim como no ano passado fez o Vice Presidente dos EUA, Tillerson evitou o Brasil, maior pais da América Latina, o que soa algo bastante estranho, pouco usual, chocante.

Perguntei a um amigo, com mais de 30 anos no Departamento de Estado e que lá é considerado um “expert” em Brasil o porque dessa posição de evitar o maior Pais do continente.

A resposta veio rápida, a situação politica do Brasil é considerada por demais confusa e imprevisível, sem interlocutores representativos. É impressionante a perda de capital geopolítico da maior potência regional, o Brasil caiu rapidamente de uma estrela ascendente na cena internacional em 2010 para um paria a ser evitado em 2018, isso em se tratando do País chave para vários temas, como o do clima e da capacidade de intervenção através das forças de paz da ONU, função na qual o Brasil é o maior protagonista entre todos os países desde há décadas, com 9 Missões simultâneas em 2015 e na chefia da maior delas, a do Congo (General Santos Cruz).

Em cima da falta de presença há mais um fator que prejudica no momento o Brasil, a chefia do Itamaraty em mãos não profissionais, o atual chanceler não é diplomata, como foram todos os chanceleres desde o inicio do governo Lula, uma politica externa profissional.

Nas piores situações de crise politicas domésticas em países, um diplomata de grande peso na chefia do Ministério do Exterior traz consigo um acumulo de capital politico de relações construídas com outras chancelarias  que permite operar por confiança pessoal, o “networking” diplomático é uma reserva fechada, os diplomatas se reconhecem, regimes fracos precisam de diplomacia forte, é uma lição da Historia, a França napoleônica derrotada usou o Príncipe de Talleyrand como chanceler, o maior dos diplomatas para um Pais vencido em Waterloo, com isso saiu por cima no Congresso de Viena de 2015.

O regime militar de 1964 tinha o lastro de um Roberto Campos, diplomata de primeira linha, que dava um aval politico ao regime, o atual governo deveria ter colocado no Iramaraty um diplomata de primeira linha no nível de um Botafogo Gonçalves, um Roberto Abdenur, um Marcos Azambuja,  lastros para qualquer governo que tem pouco tempo e capital  para operar na área internacional onde se avalia se um governo é fraco ou forte e dai partem as relações de poder.

A mesma critica serve para o Governo Trump, colocar Rex Tillerson, um executivo sem experiência previa na área diplomática, é um risco e um erro, por mais qualificado que seja o executivo, da mesma forma que seria um erro a Exxon nomear como CEO um diplomata aposentado.

Como consequência dessa insignificância do Brasil nas relações internacionais, fomos dispensados de dar opinião em temas ultra críticos onde normalmente o Brasil seria um dos primeiros a opinar, como o tema Venezuela, o Brasil tem a maiores fronteiras com a Venezuela no continente e o conflito na Síria, o Brasil tem a maior diáspora sírio-libanesa do mundo.

Por uma dessas ironias da Historia entramos nessa zona de insignificância ao mesmo tempo que um governo de amadores em Washington também joga os EUA numa diminuição de seu papel internacional.

Nossa ultima grande referencia no Departamento de Estado, o Subsecretario de Assuntos Políticos e ex-Embaixador no Brasil Tom Shannon, que fala português fluente, um grande conhecedor e amigo do Brasil, acaba de deixar o Departamento.  Na plataforma geográfica de uma das cinco Subsecretarias Adjuntas o Brasil está sob o guarda chuva da Subsecretaria do Hemisfério Ocidental, novo nome da antiga e muito mais prestigiosa Subsecretaria de Assuntos Latino Americanos, que já teve ocupantes de grande peso politico como Otto Reich e o próprio Tom Shannon.

No Governo Bush Jr. Otto Reich, amigo intimo dos Bush pai e filho, foi além de Subsecretario para a América Latina, Embaixador Extraordinário do Presidente para a região. Como Subsecretario foi Reich, assessorado por William Perry, conselheiro politico do Departamento e especialista em Brasil , quem costurou em dezembro de 2002 os acordos de apoio do Governo Bush ao recém eleito Presidente Lula, apoio esse crucial para deslanchar o Governo do PT nos primeiros meses de 2003, abrindo as portas de Washington e de Wall Street para apoiar um governo até então visto com desconfiança. Foram esses acordos entre Reich e Jose Dirceu que deram o lastro fundamental junto ao Governo Bush no primeiro mandato, uma obra de engenharia politica de primeira, costurada por gente competente.

Fico imaginando se um Palmieri, que hoje ocupa o posto de Otto Reich, poderia tecer tal arranjo com o País mais importante do continente. Nunca iria funcionar, falta-lhe lastro politico essencial além de conhecimento da região que Reich, cubano de nascimento e ex-Embaixador em Caracas durante o primeiro governo Chavez, tinha de sobra, Reich estava sempre no Brasil, conhecia fazendas do interior e os restaurantes de São Paulo, circulava bem nos ambientes do poder em S.Paulo e Brasília.

O Governo Trump não tem operadores diplomáticos e políticos de alto nível para tarefas internacionais. Diplomacia não é território para amadores, nunca foi, mas hoje temos em Washington um governo de amadores que vem da Casa Branca e se espalha pelos Ministérios.

O método Trump de governar NÃO combina com profissionais porque ele mesmo é um amador em politica, o profissional de peso e caráter não fará o que Trump mandar, porque quase sempre Trump está errado.

Tome-se o caso do Acordo Transpacifico. Sua negociação pelo Departamento de Estado levou 11 anos, duras e complexas tratativas para tentar conter a expansão econômica e geopolítica da China, o Tratado era CONTRA a China, mas Trump entendeu na sua abismal ignorância que o Tratado era a FAVOR da China e mandou os EUA saíram do pacto, que já estava pronto.

Parece piada, mas é a realidade. A saída dos EUA do Transpacifico foi recebida pela China com grande alivio, Trump ajudou a China quando pensava que a estava combatendo.

O Departamento de Estado sentiu-se completamente desmoralizado e por isso que os mais de cem postos importantes estão vagos, ninguém quer trabalhar nesse ambiente de caos e de falta de qualquer estratégia.

Soube pelos corredores do State de outro caso simbólico da Era Trump. O Presidente pediu vinte currículos para selecionar um Embaixador para um País asiático. O State mandou os vinte currículos, ao receber os currículos Trump os devolveu na hora dizendo “Não preciso mais. Ontem estive numa festa e encontrei uma moça inteligente que conhece  esse Pais, vou  nomeá-la Embaixadora” e assim fez.

OS BENEFICIARIOS DA DIPLOMACIA TRUMP

O desmonte da diplomacia americana abre espaço para expansão geopolítica da China e da Rússia,  com um papel renascido da França de Macron, elas agradecem a estupidez do conceito America First que na sua versão real é America Alone, bordões não dão certo na área, a Doutrina America First resulta no ISOLAMENTO dos EUA, o que é incompatível com sua Historia e seu projeto de liderança global que  traz mega benefícios econômicos e estratégicos. Se esses benefícios são mal distribuídos DENTRO dos EUA a culpa não é do mundo e sim dos defeitos do sistema econômico americano que permite a super concentração de capital, que  beneficia os bancos e os ricos e prejudica a distribuição de renda e dos empregos, quem conduz o espetáculo são as multinacionais americanas que transferem produção para fora dos EUA e não a China ou o México.

O mundo espera com a respiração suspensa para ver o que resultará dos quatro anos de um governo imprevisível e sem estratégia global, um governo errático, de surpresas continuas e que não aprende com os erros.

Há uma única área onde o Governo Trump não tem maior interferência e se mantem blindada, o comando militar.

A cadeia de comando no Pentagono se mantem integra e nela Trump não faz bobagens, ao contrario, deu maior poder aos militares que hoje comandam também áreas tradicionalmente de civis, como a chefia da Casa Civil (Chief of Staff) e o Conselho Nacional de Segurança.

Essa banda militar no Governo Trump é a única área de estabilidade que segura esse governo aventuroso, gerador da maior instabilidade geopolítica desde o fim da Segunda Guerra.

Tempos interessantes, como diria Eric Hobsbawn.

Artigo publicado originalmente em https://jornalggn.com.br/fora-pauta/a-implosao-do-departamento-de-estado-por-andre-araujo

Compartilhe:

 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

O MELHOR DO ALDEIA NAGÔ NO SEU EMAIL

CADASTRE-SE EM NOSSO NEWSLETTER:

FOTOS DOS ÚLTIMOS EVENTOS

  • 18.0.2018.019Discotecagem Dj Gug. Lebowski. 18 Ago 2018
  • 18.8.18.019Despedida de Zimba Selector. Red. 18 Ago 2018
  • 18.08.18.043Salsa Bahia. Boteco 68. 18 Agosto 2018
  • 10.08.2018.106Grupo Botequim. Patio Igreja. 10 Ago 2018
  • 10.08.18.057Maracatu Ventos de Ouro. Casa Preta. 10 Ago 2018
  • 10.8.18.008Bruna Barreto e Conv.. Lebowsky. 10 Ago 2018

Parabéns Aniversariantes do Dia

loader
publicidade

ENSAIOS FOTOGRÁFICOS

GALERIAS DE ARTE

HUMOR

  • Lava Jato_1
  • Categoria: Humor
Mais charges...

ENQUETE 1

Qual é o melhor dia para sair a noite?