Salvador, 22 de September de 2018
Acesse aqui:                
facebookorkuttwitteremail
Raquel Dodge trocou a Constituição pela bula inquisitorial. Por5 Jeferson Miola
Ajustar fonte Aumentar Smaller Font
Comportamento
Sex, 16 de Fevereiro de 2018 06:45

Jeferson_Miola2Os argumentos sustentados por Raquel Dodge no despacho contrário à concessão de habeas corpus ao ex-presidente Lula não são encontráveis na Constituição brasileira, mas sim nas bulas inquisitoriais da idade média.

A escolhida por Michel Temer para chefiar a procuradoria da república incorreu, além disso, em tremenda contradição.

Ela reconheceu a ausência de prova cabal de culpa para condenar Lula, mas ainda assim recomendou o castigo extremo da prisão: "a execução provisória da pena de prisão não é desproporcional nem levará injustamente à prisão réu cuja culpa ainda não esteja satisfatoriamente demonstrada".

Ora, se a "culpa ainda não está satisfatoriamente demonstrada", como pode alguém ser condenado e, mais grave, ser preso?

Raquel Dodge argumentou também que a prisão sem o trânsito em julgado "é medida que observa a presunção de inocência, o duplo grau de jurisdição"; e que "a Constituição não exige terceiro ou quarto grau de jurisdição: exige apenas o duplo grau".

Esta alegação manipula em absoluto a interpretação do texto constitucional, que em nenhum lado menciona o "duplo grau", mas o trânsito em julgado, a sentença definitiva: "ninguém será culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória" [inciso LVII do artigo 5º].

Em outro trecho, a procuradora usa um argumento que seria simplesmente hilário, não fosse trágico. Ela sustenta que a prisão após condenação em segunda instância "corrige a grave disfunção que acometia o sistema penal do país".

Esta declaração, esvaziada de conteúdo jurídico, é recheada de uma falsa-moral redentora.

Em dezembro passado, ela mandou arquivar 24 processos de políticos protegidos pelo foro privilegiado. E no mesmo dia 24 de janeiro de 2018 em que o tribunal de exceção da Lava Jato perpetrou a farsa para condenar Lula sem provas, Raquel Dodge pediu o arquivamento do inquérito que investigava o tucano José Serra pelo recebimento de R$ 20 milhões de propinas da JBS.

O despacho contra a concessão do habeas corpus termina com uma dose cavalar de cinismo. Ela entende que conceder o habeas corpus a Lula "Também favorece a impunidade e põe em descrédito a Justiça brasileira, por perda de confiança da população em um sistema em que, por uma combinação de normas e fatores jurídicos, a lei deixa de valer para todos" [sic].

Na visão inquisitorial da procuradora-chefe escolhida por Temer, o preceito constitucional de que "todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza" não vale para Lula.

Artigo publicado originalmente em https://www.brasil247.com/pt/colunistas/jefersonmiola/342310/Raquel-Dodge-trocou-a-Constitui%C3%A7%C3%A3o-pela-bula-inquisitorial.htm

Compartilhe:

 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

O MELHOR DO ALDEIA NAGÔ NO SEU EMAIL

CADASTRE-SE EM NOSSO NEWSLETTER:

FOTOS DOS ÚLTIMOS EVENTOS

  • 18.0.2018.011Discotecagem Dj Gug. Lebowski. 18 Ago 2018
  • 18.8.18.048Despedida de Zimba Selector. Red. 18 Ago 2018
  • 18.08.18.064Salsa Bahia. Boteco 68. 18 Agosto 2018
  • 10.08.2018.117Grupo Botequim. Patio Igreja. 10 Ago 2018
  • 10.08.18.045Maracatu Ventos de Ouro. Casa Preta. 10 Ago 2018
  • 10.8.18.028Bruna Barreto e Conv.. Lebowsky. 10 Ago 2018

Parabéns Aniversariantes do Dia

loader
publicidade

ENSAIOS FOTOGRÁFICOS

GALERIAS DE ARTE

Mais galerias de arte...

HUMOR

  • Vai prá Cuba_1
  • Categoria: Humor
Mais charges...

ENQUETE 1

Qual é o melhor dia para sair a noite?