Salvador, 18 de February de 2019
Acesse aqui:                
Banner
facebookorkuttwitteremail
O fascismo em nós. Por Martín Mezza
Ajustar fonte Aumentar Smaller Font
Comportamento
Sáb, 27 de Outubro de 2018 06:18

IMG-20181026-WA0076No ano passado, o psicanalista italiano Paolo Lollo, movido pela causa psicanalítica e pelo amor ao Brasil, atravessou o atlântico para participar do congresso em terras baianas do CPB e CBP. Abriu sua conferência perguntando: ¨O que é fascismo? Seria, apenas, um regime político ou, igualmente, uma forma de pensar?

Atualmente a palavra “fascismo”, ameaça a realidade brasileira passando de mão em mão como moeda gasta. Por isso, considero de suma importância, amplificar a fala de Paolo e, assim, alcançar às pessoas que não leram a transcrição do seu trabalho (Psicanálise contra o fascismo. Do mito da torre de Babel a diferença entre Real, Simbólico e Imaginário. Revista Estudos de Psicanálise, n. 48). Para melhor atingir esse objetivo, evitarei o máximo possível o jargão psicanalítico.


Como bom italiano e psicanalista, Paolo nos faz lembrar a origem histórica e linguageira da palavra de ordem – e progresso? - no Brasil de hoje. O fascismo foi um movimento político italiano que surgiu a partir das milícias de combate [fasci di combattimento], fundadas por Benito Mussolini, em 1919. Os seus integrantes uniformizados com camisas negras e armados, tinham como principal alvo da sua violência as associações operárias, as câmaras de trabalho e os sindicatos. Primeira definição: o fascismo nasce por fora da democracia, mas se infiltra nela para, desde dentro, continuar a violentar as instituições democráticas.

O fascismo vem da palavra latina “fascio”, que significa feixe. Pode-se pensar num conjunto de elementos – diversidade – atados, amarrados. Na antiga Roma, as armas eram transportadas pelos fasces lictoriae (os lictores eram civis da classe servil, escoltas dos magistrados que possuíam o poder de punir) em varas de madeira amarradas com faixas de couro.

Desses elementos – históricos e linguísticos – Lollo extrai o PODER do UM. Esse UM, representa a força das amarras e a totalidade indivisível de um corpo que não articula a sua diversidade. Basta apenas esta referência, para que todos nós nos interroguemos sobre o desejo de um Brasil unido. O que se diz, o que se pensa (além das intenções de cada emissor), na frase: um Brasil unido? É uma união que amarra, prende e esmaga ou articula – reúne - as diferenças?

Por isso, a referência ao GÊNESIS, à torre de Babel: “Façamos uma torre que penetre nos céus, façamo-nos UM”. Um povo tão religioso como o brasileiro, mesmo clamando unidade, não poderia esquecer a operação de Deus. Sim, o leitor lembra bem, Deus interveio para confundir (separar) as línguas, e dispersar o povo que aspirava ser UM.

O fascismo não só está infiltrado na democracia, também está ¨dentro de cada um de nós (em nossos comportamentos e pensamentos) para fazer-nos amar o poder, e desejar o que nos oprime e explora¨. Para o psicanalista italiano, os seres humanos são capazes de amar o supereu (etimologicamente o que está acima do eu – acima de tudo...), de desejar um amor protetor, apesar de perder a liberdade. O exemplo que traz (interpelando nossa realidade cotidiana) é aquele comportamento dos pais que, para proteger os filhos dos perigos da rua, os encerram em seu quarto retirando toda a liberdade.

Desde meu trabalho (Liberdade absoluta e individualismo na loucura moderna. Revista Estudos de Psicanálise, n. 48) lembrava à Paolo, que Lacan alertou sobre as diversas formas de manipulação social dessa condição servil do ser humano. A lei de nosso tempo: “Seja você mesmo, idêntico a si mesmo”, é articulada por determinados discursos para produzir um ideal de autenticidade, de pureza, que despreza o outro e a diferença. Para que se entenda de vez: seria o oposto ao que se articula na frase “todos juntos e misturados”.

Nosso ser é capturado por imagens que articulam valores e ideais isentos de qualquer crítica. Esse projeto, que não é novo e sim refinado, segundo Lacan, articula um “psiquismo avesso ao sujeito do inconsciente e contrário à consciência moral”, levando “tanto à loucura, como à produção de um fascista, um imbecil ou trapaceiro”.

Sempre há tempo para perguntar-nos que (como e porquê) amamos ou odiamos em nós...

Martín Mezza. Psicólogo (UBA, Arg.). Psicanalista membro de Apertura BS. As. Mestre em SMC (UNL,a. Arg.). Doutorando (ISC-UFBA). Pesquisador NISAM (ISC-UFBA). Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

Compartilhe:

Última atualização em Seg, 29 de Outubro de 2018 01:11
 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

O MELHOR DO ALDEIA NAGÔ NO SEU EMAIL

CADASTRE-SE EM NOSSO NEWSLETTER:

FOTOS DOS ÚLTIMOS EVENTOS

  • 16.02.19.247Festa da Beleza Negra do Ilê. Alb 3. Senzala
  • 16.02.19.189Festa da Beleza Negra do Ilê. Alb 2. Senzala
  • 16.02.19.104Festa da Beleza Negra do Ilê. Alb 1. Senzala
  • 11.02.19.060Ensaio do Cortejo Afro. 11 de Fev 2019
  • 06.02.19.019Sarau da Casa da Mãe. 06 Fev 2019
  • 13.01.19.151Palco Big Band. Alb 2. 13 Jan. Patio Igreja

Parabéns Aniversariantes do Dia

loader
publicidade

ENSAIOS FOTOGRÁFICOS

GALERIAS DE ARTE

Mais galerias de arte...

HUMOR

  • A Justiça brasileira_1
  • Categoria: Humor
Mais charges...

ENQUETE 1

Qual é o melhor dia para sair a noite?