Salvador, 16 de July de 2018
Acesse aqui:                
facebookorkuttwitteremail
Extermínios no Brasil profundo precisam ganhar visibilidade e gerar reações. Por Nabil Bonduki
Ajustar fonte Aumentar Smaller Font
Cidadania
Qua, 21 de Março de 2018 02:10

Nabil_BondukiNa madrugada de 12 de março, dois dias antes de Marielle Franco ser alvejada, Paulo Sergio Nascimento, diretor da Cainquiama (Associação dos Caboclos, Indígenas e Quilombolas da Amazônia) levou quatro tiros quando se dirigia para o banheiro, na área externa de sua casa, em Barcarena (PA).

Nascimento era um dos mais atuantes líderes da denúncia que a comunidade vem fazendo contra os crimes ambientais promovidos pela mineradora norueguesa Hydro Alunorte. Em fevereiro de 2017, uma das bacias de rejeitos da empresa transbordou, afetando o meio ambiente, a saúde e as atividades econômicas das comunidades rurais de Barcarena.

Análises dos metais feitas pelo Instituto Evandro Chagas comprovaram a contaminação das águas de igarapés e rios junto a 24 comunidades rurais do município. Já foram encontrados três canais clandestinos que conduzem rejeitos aos cursos d’água.

A Cainquiama busca embargar as atividades não licenciadas da mineradora, movimento apoiado pelo Ministério Público e pela Defensoria Pública do estado. Mas os defensores do meio ambiente de Barcarena sofrem ameaças desde 2014. Nascimento foi o segundo a ser executado em três meses. Em dezembro de 2017, foi a vez de Fernando Pereira.

“É como se nós fôssemos a caça e eles, os caçadores”, alerta Bosco Oliveira, diretor da Cainquiama que, assim como a sua presidente, Maria do Socorro, teve que deixar a comunidade após um ataque de policiais à sede da associação.

Em janeiro, a Promotoria do Pará, por meio do promotor Armando Brasil Teixeira, solicitou à Secretaria de Segurança “garantia de vida aos representantes da associação, considerando os fatos envolvendo suposta prática de crimes militares por policiais”. A solicitação foi rejeitada...

Pará, Rondônia e Maranhão concentram 90% dos assassinatos de ativistas de direitos humanos no Brasil, segundo o dossiê lançado em junho de 2017 pelo Comitê Brasileiro de Defensores e Defensoras dos Direitos Humanos.

Em 2016, foram registrados 66 assassinatos de ativistas; apenas no primeiro semestre de 2017, foram 42. Muitos outros podem, ainda, estar ocultos. Entre os executados estão prefeitos, vereadores, ativistas de grupos LGBT, líderes de assentamentos rurais, ambientalistas e missionários.

A comoção nacional e internacional que gerou a execução de Marielle, na vitrine do país, que é o Rio de Janeiro, é uma oportunidade para dar visibilidade ao genocídio que ocorre no Brasil profundo, sob o olhar cego das autoridades, da opinião pública e da Justiça.

A indignação que vem tomando as ruas pode dar lugar a um movimento contra esses esquadrões de extermínio que se espalham pelo país. Essa é a maior homenagem que podemos prestar a Marielle.

Artigo publicado originalmente na Folha de São Paulo.

Compartilhe:

 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

O MELHOR DO ALDEIA NAGÔ NO SEU EMAIL

CADASTRE-SE EM NOSSO NEWSLETTER:

FOTOS DOS ÚLTIMOS EVENTOS

  • 10.06.18.008Ooni de Ifé no Ilê Aiyê. Por Edgar Souza. 10 Jun 2018
  • 19.05.18.039Elas Cantam Bob. Pedro Arcanjo. 19 Maio 2018
  • 19.5.18.057Serafim e Filhos de Zé. Lebowisky. 19 Maio 2018
  • 17.05.18.038Banda Bahianomundo. Lebowski. 17 Maio 2018
  • 15.5.18.110Sarau da Casa da Mãe. 16 de Maio 2018
  • 15.05.18.078Edson Gomes. Lg Quincas Berro D'Água. 15 Mai 2018

Parabéns Aniversariantes do Dia

loader
publicidade

ENSAIOS FOTOGRÁFICOS

GALERIAS DE ARTE

HUMOR

  • Lava Jato_1
  • Categoria: Humor
Mais charges...

ENQUETE 1

Qual é o melhor dia para sair a noite?