Salvador, 17 de January de 2019
Acesse aqui:                
facebookorkuttwitteremail
Chuchu e chibata. Por Gustavo Conde
Ajustar fonte Aumentar Smaller Font
Cidadania
Dom, 05 de Agosto de 2018 07:29

Gustavo_CondeNão bastasse o improviso, o desespero, o oportunismo, a hipocrisia e a dose cavalar de golpismo, a candidatura Alckmin segue a sua saga rumo ao mais impressionante amontoado de elementos pitorescos da história de uma eleição.

 

É um assombro.

Um candidato que tem graves problemas de articulação de sentido da fala já é, por si só, uma atração especial para qualquer pleito. É exótico. Alckmin não fala, ele boceja. Alckmin não enuncia, ele replica clichês da política brasileira dos anos 70. Alckmin não faz proposições, ele junta fragmentos de lugares-comuns do economês e tentar construir períodos gramaticais no limite da inteligibilidade.

O apelido de Chuchu é um imenso desrespeito aos chuchus, hortaliças-frutos tão importantes para a dieta falimentar do brasileiro.

Mas pegou. Pegou e pegou forte. Os chuchus nunca mais serão os mesmos depois de Geraldo Alckmin.

O acordo com o centrão, a correria para se produzir um programa de governo nas coxas (e sem consultar o centrão), tão à maneira de ser do PSDB, esse partido que cada vez mais parece filme de terror policial (com a delinquência política associada à blindagem dos viaturas de polícia), torna a candidatura Alckmin um espetáculo de horror, digno dos circos das aberrações.

O eleitor, por mais cansado e destituído de tempo para avaliar candidaturas com a devida atenção, manifesta sua repulsa a tudo isso, oferecendo seus 4% de intenção de voto a essa facção política que representa oficialmente o golpe e a devastação econômico-social do país.

Não bastasse essa precariedade política em grau avançado, a candidatura do Chuchu resolveu se superar e convidar uma candidata a vice que melhor representa o fascismo brasileiro contemporâneo, depois de Bolsonaro.

Ana Amélia, com seu talento descomunal para produzir pérolas da linguagem (pobre linguagem) resolveu somar seu ‘anti-lastro’ de conhecimento à nulidade verbal do mais fracassado candidato à presidência que os tucanos já tiveram a infelicidade de experimentar.

A chapa "Chuchu e Chibata" veio para marcar toda uma geração de eleitores brasileiros. Jamais se viu chapa tão pedagógica em termos de convergência do horror político e comportamental. De um lado, um privatista vazio e destituído de carisma. De outro, uma matriarca autoritária, pronta a estalar o relho no primeiro trabalhador que reclamar.

É o relho e a morfina, o chicote e a xilocaína, a palmatória e a ‘aguinha com açúcar’, o coice e a omissão, a dor e a anestesia, o fascismo e o golpismo.

Nunca antes na história deste país se viu um par tão merecedor das saudações recíprocas: o Chuchu e a Chibata.

Fica a nossa torcida para que eles prestem o serviço de expor o exemplo negativo à toda sociedade brasileira. É a anti-chapa mais quente da nossa combalida cultura político-eleitoral. Merece nossos aplausos contidos de comiseração.


Artigo publicado originalmente em https://www.brasil247.com/pt/colunistas/gustavoconde/364127/Chuchu-e-chibata.htm

Compartilhe:

Última atualização em Ter, 07 de Agosto de 2018 01:07
 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

O MELHOR DO ALDEIA NAGÔ NO SEU EMAIL

CADASTRE-SE EM NOSSO NEWSLETTER:

FOTOS DOS ÚLTIMOS EVENTOS

  • 13.01.19.151Palco Big Band. Alb 2. 13 Jan. Patio Igreja
  • 13.01.19.099Palco Big Band. Alb 1. 13 Jan. Patio Igreja
  • 10.12.18.40Ensaio Cortejo Afro p/Edgar Souza. 10 Dez 2018
  • 07.12.18.119Festa Angola 70. Casa de Angola. 07 Dez 2019
  • 03.12.18.002Ensaio Cortejo Afro p/Edgar Souza. 03 Dez 2018
  • 30.11.18.052Maracatu Ventos de Ouro e a Corda. 30 Nov 2018

Parabéns Aniversariantes do Dia

loader
publicidade

ENSAIOS FOTOGRÁFICOS

GALERIAS DE ARTE

Mais galerias de arte...

HUMOR

  • Abertura das Olimpiadas_1
  • Categoria: Humor
Mais charges...

ENQUETE 1

Qual é o melhor dia para sair a noite?