Salvador, 24 de April de 2019
Acesse aqui:                
Banner
facebookorkuttwitteremail
Anjos da terra arrasada subjugam a economia. Por Edney Cielici Dias
Ajustar fonte Aumentar Smaller Font
Cidadania
Seg, 08 de Abril de 2019 11:47

Edney-DiasO país se encontra num período de gravíssima precariedade e desesperança. Relatório do Banco Mundial mostrou que o número de pobres no Brasil aumentou em 7,3 milhões desde 2014.

São 43,5 milhões no total, num retrocesso galopante.

É mais um indicador que vem se somar aos números do desemprego, da desindustrialização, da erosão social.  Essa realidade, no entanto, não entra no radar de prioridades do governo, o que é paradoxal e desumano.

Faz uns anos, li uma notícia daquelas que emocionam, mas causam algum desconcerto. Um jovem economista, que havia acabado de ganhar um prêmio, respondeu que seu objetivo, ao abraçar sua profissão, era melhorar as condições de vida das pessoas, como forma de retribuir à sociedade o que ela lhe havia proporcionado. Não parecia mentir.

Como é fácil notar na prática, a dimensão humanística de uma área do conhecimento, de uma profissão, é no mais das vezes relegada a um plano apenas retórico. Há de fato aqueles que afirmam que a economia não dá muita margem ao sonho.

Tudo seria guiado por uma objetividade coletiva acima da vontade dos indivíduos, materializada num grande pega para capar em que quem pode mais chora menos. O velho e conhecidíssimo capitalismo selvagem –junto com preconceitos diversos e o desprezo aos valores democráticos– está aí conduzindo corações e mentes.

Trilhamos agora num projeto de desmonte puro e simples do Estado e de suas políticas públicas. Nesse roteiro, o ajuste fiscal não é um meio, mas um fim em si, sem nenhum compromisso com ações que, de maneira direta, modifiquem as perspectivas da economia.

Os defensores desse ideário acenam com a terra prometida a ser construída após o desmantelamento de tudo. O próprio presidente da República sintetizou o plano:

O Brasil não é um terreno aberto onde nós pretendemos construir coisas para o nosso povo. Nós temos é que desconstruir muita coisa. Desfazer muita coisa. Para depois nós começarmos a fazer. Que eu sirva para que, pelo menos, eu possa ser um ponto de inflexão, já estou muito feliz.

Embrenha-se, como se vê, num projeto de destruição com consequências incertas e resultados duvidosos, pois é pouco provável que algo seja construído nesta gestão.

No desmonte do Estado, note-se, haverá ganhadores e perdedores. Os primeiros ocuparão espaços estratégicos nas finanças, na gestão de ativos e na própria prestação de serviços ao setor público. Para a grande maioria dos brasileiros, resta uma aposta na devastação sem nenhuma contrapartida.

Os que têm as rédeas do poder se apresentam, portanto, como anjos que anunciam a salvação pela terra arrasada.

Diferentemente do que apregoam, não se trata de proposta baseada em conhecimento científico, em evidências. É apenas dogma. Tampouco é idealismo. É dominação selvagem.

Se há alguma esperança, é a de que essa agenda, de tão voraz, não se sustente. Nada é certo, porém. Quem sobreviver verá.

Há vozes bastante gabaritadas que vão contra a atual orientação econômica. São, no entanto, menos ouvidas e, por isso, menos presentes no debate público. Contra os redentoristas de mercado, lá estão os keynesianos de diversos matizes, os neo-desenvolvimentistas e, mais recentemente, a dissidência liberal de André Lara Resende.

Teorias importam, mas elas integram um acirrado jogo de interesses e de poder. Por ora, é como se os liberais detivessem o monopólio de um conhecimento mítico e viessem nos redimir de todos os erros do passado. Essa lorota bizarra infelizmente colou.

É trágico que uma síntese dos objetivos nacionais não seja possível hoje. O próprio governo é avesso a aceitar a oposição como interlocutor válido.

Em uma situação política mais pacificada, alguns consensos poderiam muito bem emplacar:

  1. o Estado precisa, sim, ser reformado, mas não destruído sem critério;
  2. o ajuste fiscal é inescapável, mas não se constitui num fim em si mesmo –o desafio é articulá-lo com uma estratégia de recuperação econômica;
  3. a reforma da Previdência é necessária, porém deve ser norteada pelos critérios de Justiça Social;
  4. é imprescindível perseguir uma meta cambial competitiva e colocar em prática uma política industrial com critérios claros e avaliáveis;
  5. o país precisa de um Plano Marshall para sua infraestrutura;
  6. os bancos públicos e os órgãos de fomento devem ser mais bem governados e dispor de poder de fogo para incentivar o crescimento econômico.

Aí estão sugestões divergentes. Num tempo em que os líderes e a manada têm licença para falar qualquer bobagem, o cidadão pode se reservar o direito de cultivar o bom senso, uma excelente coisa na economia e em outros campos.

Edney Cielici Dias, 55 anos, doutor e mestre em ciência política pela USP, é economista pela mesma universidade e jornalista.

Artigo publicado originalmente em

https://www.poder360.com.br/opiniao/economia/anjos-da-terra-arrasada-subjugam-a-economia-analisa-edney-cielici-dias/

Compartilhe:

 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

O MELHOR DO ALDEIA NAGÔ NO SEU EMAIL

CADASTRE-SE EM NOSSO NEWSLETTER:

FOTOS DOS ÚLTIMOS EVENTOS

  • 06.03.19.070Patuskada para Exu Bouzanfrain. 06 Mar 2019
  • 05.03.19.234Carnaval no Pelô. Alb 2. 05 Mar 2019
  • 05.03.19.003Carnaval no Pelô. Alb 1. 05 Mar 2019
  • 04.03.19.197-1Ilê Aiyê. Campo Grande. Alb 2. 04 Mar 2019
  • 04.03.19.267Ilê Aiyê. Campo Grande. Alb 1. 04 Mar 2019
  • 04.03.19.138Mudança do Garcia. Festa Ednice. 04 Mar 2019

Parabéns Aniversariantes do Dia

loader
publicidade

ENSAIOS FOTOGRÁFICOS

GALERIAS DE ARTE

HUMOR

  • Sumário_1
  • Categoria: Humor
Mais charges...

ENQUETE 1

Qual é o melhor dia para sair a noite?