Salvador, 04 de August de 2020
Acesse aqui:                
facebookorkuttwitteremail
Erro
  • Your server has Suhosin loaded. Please follow this tutorial.
A hora é, como nunca, dos artistas! Por Cláudia Leitão
Ajustar fonte Aumentar Smaller Font
Cidadania
Seg, 27 de Abril de 2020 23:33
Claudia_TajesEm março de 2015, a escritora Toni Morrison, primeira mulher negra a receber o prêmio Nobel de Literatura, no seu artigo para os 150 anos do The Nation, descreveu seus sentimentos no day after da reeleição de George W. Bush à Presidência dos EUA. Começa por narrar um telefonema que recebeu de um amigo artista, que pedia suas notícias. Respondeu que estava deprimida, paralisada, sem forças, incapaz de escrever, ao que o amigo artista interrompeu, retrucando: "Não! De jeito nenhum! Agora é exatamente o momento em que os artistas devem trabalhar! Não somente quando tudo vai bem, mas especialmente em tempos de pânico! Esse é o nosso trabalho!".

Morrison observa no seu artigo que aquele telefonema mudou drasticamente seu humor, fazendo-a pensar sobre o trabalho de dezenas de artistas, ao longo dos séculos, confinados em gulags, celas, camas de hospital, trincheiras e tantas outras situações de horror. Em minutos lembrou de Oscar Wilde, Pablo Picasso, Walter Benjamin, Salman Rushdie, Ai Weiwei e tantos outros que salvaram a existência humana com as suas obras.

Sentimentos humanos são muito semelhantes, mesmo diante de situações de crise, e o que Toni Morrison escreveu continua absolutamente atual. Vivemos, ainda, o day after da eleição de um presidente autoritário, insensível e ignorante, que tem banalizado em seus discursos e práticas o desprezo aos cientistas, artistas, indígenas, trabalhadores e, sobretudo, aos pobres e excluídos. Atravessamos uma pandemia impiedosa, reveladora, sobretudo, das iniquidades de nossas elites econômicas. Motivos não nos faltariam para esmorecer.

É por isso que, além dos cientistas, os artistas precisam, como nunca, ir ao trabalho, pois são indispensáveis. É o que nos diz Morrison: "Não há tempo para desespero, não há lugar para auto-piedade, não há espaço para medo. Se o mundo sangra, não se trata de ignorar a dor, mas não sucumbir a ela. Falamos, escrevemos e nos expressamos por meio de linguagens artísticas. E é assim que as civilizações se curam".

Compartilhe:

 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

O MELHOR DO ALDEIA NAGÔ NO SEU EMAIL

CADASTRE-SE EM NOSSO NEWSLETTER:

FOTOS DOS ÚLTIMOS EVENTOS

  • 24.02.2020.385Desfile Ilê Aiyê. C Grande. Alb 4. 24 Fev 2020
  • 24.02.2020.301Desfile Ilê Aiyê. C Grande. Alb 3. 24 Fev 2020
  • 24.02.2020.188Desfile Ilê Aiyê. C Grande. Alb 2. 24 Fev 2020
  • 24.02.2020.011Desfile Ilê Aiyê. C Grande. Alb 1. 24 Fev 2020
  • 24.02.20.192Mudança, Magary, Motumbá. C. Grande. 24 Fev 2020
  • 24.02.20.024Didá & Respeita as Minas. Campo Grande. 24 Fev 2020

Parabéns Aniversariantes do Dia

loader
publicidade

ENSAIOS FOTOGRÁFICOS

GALERIAS DE ARTE

HUMOR

  • Golpe_1
  • Categoria: Humor
Mais charges...

ENQUETE 1

Qual é o melhor dia para sair a noite?