Salvador, 23 de September de 2019
Acesse aqui:                
facebookorkuttwitteremail
Erro
  • Your server has Suhosin loaded. Please follow this tutorial.
Cinema
Calendário de Eventos help
Weekly View
Ver por Semana
Daily View
Veja Hoje
Categories
Ver por Categorias
Search
Buscar
Samba Junino - de Porta em Porta
Sexta-feira 09 Agosto 2019, 15:00
Para Sexta-feira 23 Agosto 2019

Acessos : 1229

O Samba Junino é um ritmo essencialmente soteropolitano. Reconhecido em 2018 como Patrimônio Cultural e Imaterial de Salvador, sua sonoridade e formas de apresentação – em cortejo pelas ruas dos bairros populares – influenciam as manifestações culturais e resgata as tradições nordestinas durante os festejos juninos. Para contar histórias e curiosidades sobre o estilo musical, o documentário Samba Junino - de Porta em Porta será lançado no dia 6 de agosto, no Espaço Itaú de Cinema – Glauber Rocha e em outros quatro espaços. O doc é assinado pela cineasta Fabíola Aquino, que divide direção e roteiro com Dayane Sena. Com financiamento da Fundação Gregório de Mattos (FGM), a iniciativa integra as ações de Salvaguarda do Samba Junino e as comemorações pelo mês da Igualdade Racial.


O documentário musical mostra o Samba Junino inserido em um movimento de resistência e luta da cultura negra. Produzido pela Obá Cacauê Produções, com duração de 52 minutos, o filme evidencia o surgimento do ritmo oriundo dos bairros periféricos e com predominância da população negra de Salvador, tendo inicio no final da década de 1970. A narrativa também destaca que, ao influenciar na formação da música baiana, o ritmo contribuiu para dar visibilidade a artistas como Ninha, Tatau, Tonho Matéria, Xexéu, Márcio Vitor e os Irmãos Bafafé, entre tantos outros. Já sonoridade marcante – com batidas aceleradas que apresentam um “samba duro”, gênero irmão do samba caboclo – e as letras melódicas do ritmo, ganharam as vozes de cantores como Daniela Mercury e Jorge Zarath.           

A cineasta Fabíola Aquino ressalta que Samba Junino – de Porta em Porta é uma oportunidade de mergulhar na cultura soteropolitana e promover a riqueza desse universo, sua origem nos terreiros de candomblé, histórias dos festivais e toda a pluralidade das manifestações culturais que permeiam as ruas de Salvador o ano todo, mas com especial vigor nas festas juninas.

“Toda essa memória precisava ser resgatada e preservada. A FGM deu o primeiro grande passo com o Registro da Salvaguarda em 2018, nossa missão com este documentário foi construir uma narrativa que abrangesse os principais aspectos que marcam as características do Samba Junino”. Num momento em que a produção cultural sofre fortes ataques em nosso País, o filme levanta a importância da união entre os agentes culturais e a população. “Esse exemplo merece ser celebrado, tanto pela preservação da nossa identidade quanto para o resgate dos nossos valores culturais. É muito gratificante concluir um projeto tão potente como este”, justifica com entusiasmo.    

Presidente da FGM, Fernando Guerreiro acredita que o estilo estimula o combate a intolerância religiosa e promove a igualdade racial. “A intolerância passa pelo esvaziamento de conteúdo. No momento em que contribuímos para a divulgação desse ritmo, criamos um movimento que diminui essa intolerância. Não posso deixar de destacar todos os grandes lutadores que mantêm o Samba Junino vivo, sejam pessoas, grupos ou heróis. São pessoas que, com ou sem condições, põem o Samba Junino nas ruas há décadas. A minha relação com esses apaixonados pelo Samba Junino é de total reverência”, avalia.   

Criado na comunidade do Engenho Velho de Brotas, o cantor Ninha, personagem do documentário, defende que o Samba Junino faz parte de um processo de resistência do povo negro da Bahia, além de promover, de forma efetiva, o resgate das tradições populares da capital. “Muitas pessoas fizeram o Samba Junino acontecer. Eu, quando começo a cantar samba, me perco no tempo e não sei mais o que estou fazendo. Quando começo a cantar, seja onde for, tenho a consciência que foi o samba quem me deu esse direito. Viva o Samba Junino!”, festeja o cantor.

Dentro das ações de promoção do filme estão programadas cinco exibições, sempre gratuitas e respeitando a capacidade dos locais. A seguir as datas e demais detalhes do calendário de difusão do documentário “Samba Junino – de Porta em Porta”.

 

Valor Grátis

O documentário musical mostra o Samba Junino inserido em um movimento de resistência e luta da cultura negra. Dia 09 de agosto (sexta-feira) - Cineclube Boca de Brasa (Centro de Artes e Esportes Unificados (CEU) – Valéria), às 15h;

 

Voltar

O MELHOR DO ALDEIA NAGÔ NO SEU EMAIL

CADASTRE-SE EM NOSSO NEWSLETTER:

FOTOS DOS ÚLTIMOS EVENTOS

  • 06.03.19.102Patuskada para Exu Bouzanfrain. 06 Mar 2019
  • 05.03.19.159Carnaval no Pelô. Alb 2. 05 Mar 2019
  • 05.03.19.055Carnaval no Pelô. Alb 1. 05 Mar 2019
  • 04.03.19.270-1Ilê Aiyê. Campo Grande. Alb 2. 04 Mar 2019
  • 04.03.19.261Ilê Aiyê. Campo Grande. Alb 1. 04 Mar 2019
  • 04.03.19.182Mudança do Garcia. Festa Ednice. 04 Mar 2019

Parabéns Aniversariantes do Dia

loader
publicidade

ENSAIOS FOTOGRÁFICOS

HUMOR

  • A Justiça brasileira_1
  • Categoria: Humor
Mais charges...

ENQUETE 1

Qual é o melhor dia para sair a noite?
 

Compartilhe: