Salvador, 21 de May de 2019
Acesse aqui:                
facebookorkuttwitteremail
Vocês, moços, pobres moços. Por Franciel Cruz
Ajustar fonte Aumentar Smaller Font
Qui, 07 de Março de 2019 02:31

Franciel-CruzVocês, moços, pobres moços, ah, seu soubesse o que sei, não passavam o que já passei. Por isso, peço: acreditem em mim.

Seguinte.

Nos carnavais de antanho, existia uma guarnição de meganhas conhecida como polícia mista. Pense numa galera trabalhada no ódio. No mínimo vacilo, madeira. E quando digo vacilo é coisa besta, tipo sentar no passeio. Sim, botar a bunda no paralelepípedo na Carlos Gomes era pecado capital. Ato contínuo, um desgraçado saia da fila e vinha chutar seu fígado, mesmo se você estivesse do outro lado da rua. "Levanta, vagabundo, que aí não é lugar de sentar".

Então, todo mundo era obrigado a estar atento e forte o tempo todo pra não receber a galinha pulando, aquela bicuda no rim que deixava o cidadão com gosta de bota de sargento na boca o resto da folia.

Sim, minha comadre, a polícia, braço sanguinário do estado, continua esta desgraça que vemos hoje, mas creia, no Carnaval, eles já barbarizaram muito mais.

Pois bem, digo, pois mal.

Nesta madrugada, aconteceu um negócio tão escroto que num sei nem se posso classificar só como racismo.

Seguinte.

Atrás do trio de Armadinho, no calor dos 600 DEMÔNHOS, cheirando óleo diesel para ver se alguém me esquecia, inventei de comprar uma água mineral. Antes de beber, porém, vi que o coitado do ambulante ofegava de cansaço e resolvi jogar um pouco do insosso líquido pra refrescar a cabeça do pião.

Pois muito bem, digo, pois muito mal.

Este simples gesto de solidariedade mexeu com os "brios" de um escroto de farda, que incorporou o espírito de porco da mista de antanho, saiu de seus cuidados e, do nada, veio esmurrar o vendedor. Bateu e saiu picado, como sempre fazem os covardes.

Mesmo com o couro curtido em séculos de desmantelos, ao testemunhar a triste cena, confesso que não entendi e fiquei atônito - até que meu amigo Pedrão Las Carrancas esclareceu.

"Fique assim, não, velho. Compreenda. O cara tomou um chifre e tá sem prumo e sem rumo. Só pode ser isso"

Concordei com o diagnóstico, mas não com a parte relativa `a direção do indigitado. A alma sebosa sabia seu destino, pois na sequência vinha o cantor Nenho, entoando o clássico "Desça daí seu corno, desça daí".

Mentalmente, completei. Desça daí, seu corno, de seu mundo de infâmia.

Franciel Cruz é jornalista e escritor

Compartilhe:

 

O MELHOR DO ALDEIA NAGÔ NO SEU EMAIL

CADASTRE-SE EM NOSSO NEWSLETTER:

FOTOS DOS ÚLTIMOS EVENTOS

  • 06.03.19.136Patuskada para Exu Bouzanfrain. 06 Mar 2019
  • 05.03.19.249Carnaval no Pelô. Alb 2. 05 Mar 2019
  • 05.03.19.014Carnaval no Pelô. Alb 1. 05 Mar 2019
  • 04.03.19.231-1Ilê Aiyê. Campo Grande. Alb 2. 04 Mar 2019
  • 04.03.19.216Ilê Aiyê. Campo Grande. Alb 1. 04 Mar 2019
  • 04.03.19.146Mudança do Garcia. Festa Ednice. 04 Mar 2019

Parabéns Aniversariantes do Dia

loader
publicidade

ENSAIOS FOTOGRÁFICOS

GALERIAS DE ARTE

Mais galerias de arte...

HUMOR

  • Vai prá Cuba_1
  • Categoria: Humor
Mais charges...

ENQUETE 1

Qual é o melhor dia para sair a noite?