Salvador, 21 de May de 2019
Acesse aqui:                
facebookorkuttwitteremail
¨Eu não sou tua fantasia¨. Por Martín Mezza.
Ajustar fonte Aumentar Smaller Font
Sex, 15 de Março de 2019 04:08

Martin_MezzaEsse ano as manas decidiram ultrapassar as fronteiras da tautologia do dito “não é não” que visa colocar um limite num comportamento menos pré-histórico que moderno, animal que humano, hormonal que subjetivo, universal que sociocultural.

 

Sua incursão psicológica, não poderia ser qualificada de outra maneira, derivou no grito de carnaval “eu não sou tua fantasia”. E como não gritar junto com elas? Como não se fantasiar e cair nesse bloco?

Se o “não é não” era suficientemente evidente para não se prestar a muita conversa, o novo lema, por reunir no mesmo enunciado o campo psicológico e carnavalesco através do significante fantasia, se oferece necessariamente ao processo de customização. Então, comecemos por desfazer uma costura que pode nos incomodar na hora de pular e brincar. “Eu não sou tua fantasia” pode sugerir a ideia que cada um tem, ou deveria ter sua fantasia pessoal – insondavelmente singular – e inconfundível com a realidade. O sujeito moderno deve saber distinguir, inclusive na festa de Momo, entre o principio do prazer e o principio de realidade, entre interior e exterior.

Dessa forma, tudo parece se reduzir a uma fantasia sem objeto, a um autoerotismo contrafóbico equivalente a um “eu cognoscente” que procura esse “teu” (objeto) adequado, assim como o sapatinho no pé de Cinderela. Mas, no mundo do calçado ocorrem acidentes tais como a deformação dos sapatos ou o inchaço dos pés que fazem necessárias calçadeiras, feijão e algodão, água morna com sal e a sabedoria dos velhos sapateiros, para harmonizar a conturbada e antinatural relação entre pés e calçados. Nossa pedagogia amorosa, psicológica ou sexológica, tão necessária como insuficiente no momento de traçar os limites, lidar com as ambiguidades e abordar os excessos existentes entre sedução e assédio, não apresenta menos dificuldades, nem dispõe de maiores recursos que os trabalhadores esquecidos da baixa dos sapateiros. Isto não é necessariamente um defeito, é que no campo da fantasia, a divisão entre gozo e desejo não é algo que possa ser abordado apenas com uma pedagogia esclarecida e progressista, nem com uma política de boas vontades e compromissos afirmativos.

Se o feminismo tem o papel que importantes intelectuais lhe otourgam, aquele movimento que vem a remover os lastros da modernidade, seria bom - pensamos humildemente - não desconhecer que os cimentos da era moderna contemplam a substituição da fantasia pelo ego cogito.

Abandonemos por um instante o pula-pula da pipoca baiana, e, enquanto terminamos de costurar nossa fantasia, peguemos a carona de um carro alegórico que percorra em parte a passagem da idade média para a modernidade.

Tanto na antiguidade quanto na idade média a fantasia não era irreal, não estava destinada ao deserto interior da individualidade, ao mundo irreflexivo da patologia mental ou aos confins do inautêntico. Enfim, a fantasia não era rejeitada, nem temida, nem oposta à realidade, pelo contrário, tinha um papel fundamental na mediação entre o mundo sensível e o intelecto, entre o múltiplo e o unitário, o subjetivo e objetivo, externo e interno, entre um e outro.

Os poetas provençais – verdadeiros pedagogos e psicólogos do amor da Portugal da idade média – interviam com seus versos na demarcação do amor louco (fol amour) daquele mais satisfatório. Para estes poetas, um amor “sadio” se caracterizava pela operatória da fantasia. Através dela, o desejo não se dirigia à coisa sensível senão ao objeto imaginário, constituindo assim o que eles chamavam de “anjo” ou “nova pessoa”. Já o amor louco (fol amour), aquele que hoje se tenta interpelar no nosso grito de carnaval, era justamente aquele que apresentava um déficit de fantasia. Aqui, a dificuldade não consistia tanto na indiferença entre realidade e fantasia quanto no fato de não poder articulá-las, da incapacidade de incluir o outro enquanto objeto do desejo na articulação do imaginário e do real.

Esse déficit de fantasia da idade média passa à modernidade como parte constitutiva do processo de subjetivação. Por isso, já está presente no primeiro tempo da autoconsciência, na dialética do mestre e do escravo de Hegel, onde a satisfação alcançada entrelaça a afirmação de si e a negação da independência do outro mediante o aniquilamento e o consumo do objeto; e nas personagens do Marquês de Sade que permanentemente manifestam a dificuldade para avivar satisfatoriamente a fantasia, compensado tal situação pela inversão do desejo e da necessidade, que resulta no gozo perverso. Todo psicanalista pode reconhecer aqui a linha da qual puxa Lacan para elaborar a fantasia como suporte do desejo e colocá-la na base das desventuras neuróticas e perversas.

Por acaso, o carnaval não trata disso? Se o carnaval ainda tem uma função social além de encher o bolso de uns poucos e esticar a precariedade da maioria, não é justamente oferecer a possibilidade da realidade da fantasia? Pelo menos esse é o carnaval que Chico Buarque captura em “Noite dos Mascarados”. Ali, não há abadás, senão máscaras, disfarces que ajudam a suspender a impostura insuportável da identidade individual, que auxiliam as exigências imediatas da paixão com a esperança que a fantasia aconteça e o encontro amoroso tenha assim alguma chance.

Enfim, fica claro que não estamos objetando o grito de carnaval, apenas tentando contribuir na sua potência e intervir nos seus ecos. Para isso, achamos necessário advertir a diferença de níveis existentes entre “não é não”, consigna que chamamos de pedagógica, e “eu não sou tua fantasia”, própria da psicologia e do carnaval. Pensamos que esta última perde muito de sua força se for reduzida à tentativa de colocar um limite no comportamento desviado, desconhecendo que é, na verdade, um correto diagnóstico da impotência amorosa do homem moderno.

Martín Mezza. Psicólogo (UBA, Arg.). Psicanalista membro de Apertura Bs. As. e Salvador-Ba; Mestre em SMC (UNL,a. Arg.). Doutorando (ISC-UFBA). Pesquisador NISAM (ISC-UFBA). Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

Compartilhe:

Última atualização em Sex, 15 de Março de 2019 04:16
 

O MELHOR DO ALDEIA NAGÔ NO SEU EMAIL

CADASTRE-SE EM NOSSO NEWSLETTER:

FOTOS DOS ÚLTIMOS EVENTOS

  • 06.03.19.071Patuskada para Exu Bouzanfrain. 06 Mar 2019
  • 05.03.19.197Carnaval no Pelô. Alb 2. 05 Mar 2019
  • 05.03.19.058Carnaval no Pelô. Alb 1. 05 Mar 2019
  • 04.03.19.251-1Ilê Aiyê. Campo Grande. Alb 2. 04 Mar 2019
  • 04.03.19.275Ilê Aiyê. Campo Grande. Alb 1. 04 Mar 2019
  • 04.03.19.153Mudança do Garcia. Festa Ednice. 04 Mar 2019

Parabéns Aniversariantes do Dia

loader
publicidade

ENSAIOS FOTOGRÁFICOS

GALERIAS DE ARTE

HUMOR

  • A Justiça brasileira_1
  • Categoria: Humor
Mais charges...

ENQUETE 1

Qual é o melhor dia para sair a noite?