Salvador, 18 de September de 2021
Acesse aqui:                
facebookorkuttwitteremail
Erro
  • Your server has Suhosin loaded. Please follow this tutorial.
Revolução cubana resiste aos ataques do Império. Por Emiliano José
Ajustar fonte Aumentar Smaller Font
Qua, 14 de Julho de 2021 07:02

Emiliano_JoseCuba sabe: o atual ataque contrarrevolucionário é parte das novas estratégias da direita e extrema-direita mundial de guerra não-convencional, desenvolvidas já há algumas décadas.

Curioso seja o presidente norte-americano Joe Biden a falar presumidamente em defesa do povo cubano, justamente ele, o autor do criminoso bloqueio econômico, principal causador das óbvias dificuldades enfrentadas pela população da Ilha. Ninguém se iluda com governos americanos: democratas ou republicanos, não abrem mão do esforço continuado de estrangular a Revolução iniciada em 1959. São 60 anos de tentativa continuada para asfixiar a iniciativa socialista. E os EUA fazem ouvidos de mercador à quase unanimidade de repulsa mundial  ao cerco promovido contra a pequena e teimosa nação.

Esse ataque contrarrevolucionário conta com a grande mídia empresarial de praticamente todo o mundo, com as mídias sociais vinculadas ao pensamento da extrema-direita, com os cubanos de Miami, com a Organização dos Estados Americanos (OEA), a rigor uma agência a favor de golpes conservadores e instrumento das guerras não-convencionais na América Latina, e claro de governantes da extrema-direita, como o atual presidente brasileiro.

Costumo dizer: Cuba é um milagre da política. Olhando-se para a pequena nação, se diria impossível o triunfo de uma revolução e, mais ainda, se triunfante, inviável a sobrevivência de tal revolução. O pensamento revolucionário, vinculado à clarividência e determinação de suas lideranças, de modo particular de Fidel Castro, garantiu a longevidade dessa revolução.

Vem de longe, a Revolução.

Entendida como um processo

Começa, no olhar cubano, em 1868, quando um grande proprietário, de nome extenso, Carlos Manuel Perfecto del Carmem de Céspedes y López del Castilho, declara livres os escravos dele e chama-os à luta anticolonialista. Deu-se aí a Guerra dos Dez Anos. Morto em 1874. O Pacto de Zanjon, para cessar a guerra, em 1878, admitiu a libertação dos escravos que lutaram com os independentistas, apenas eles. H

Houve os resistentes ao tal pacto, e veio a Guerra Chiquita, entre 1879-1880, derrotada pelas poderosas forças espanholas.

Depois, viria a luta conduzida por José Martí, chamado de Apóstolo e Maestro em Cuba, homem de pensamento e ação, admiradíssimo por Fidel.

Escritor, poeta, lúcido revolucionário.

Hábil negociador, criador do Partido Revolucionário Cubano. A guerra começa em 1895, termina em 1898, tendo Martí morrido nos primeiros movimentos da luta. A independência de Cuba virá dessa iniciativa, não obstante de modo limitado. No meio da guerra, os EUA intervém, vencem os espanhóis, suscitam a Emenda Platt, garantindo-lhes o direito de intervir na Ilha quando bem entendessem, além de assegurar, desde lá, a posse da Base de Guantánamo, de triste memória. Em 1902, nasce a República, limitada pelo Império.

E em 1959, o furacão Fidel.

Do mar.

No Granma, com seus 82 companheiros.

Do assalto ao Quartel de Moncada, em Santiago de Cuba, em 26 de julho de 1953, ao dia 8 de janeiro de 1959, quando entra em Havana, esteve à frente de um surpreendente processo revolucionário, a impressionar todo o mundo. Daria sequência com um vigor desconhecido ao processo revolucionário iniciado com Céspedes no século XIX, e o levaria adiante sem cessar. E hoje, novas gerações seguem conduzindo a Revolução, não obstante as sucessivas tentativas do Império de sufocá-la. Um milagre da política revolucionária, e decorrente da força e disposição do povo cubano.

Os EUA tentaram de todas as formas derrotar a Revolução. A mais estrondosa tentativa, manu militari, foi a invasão da Baía dos Porcos, em 1961, fragorosamente derrotada, humilhada. E aí, em seguida, o bloqueio econômico, a dispensar análises mais longas – é cruel mecanismo destinado a fazer sangrar um País, sufocá-lo, fazer o povo sofrer para estimular revoltas, e desses objetivos o Império não faz segredo. Até hoje, a Revolução resiste. Nas últimas horas, o povo atendeu ao pedido do presidente Miguel Díaz-Canel, e foi às ruas defendê-la.

É evidente, há uma situação de imensas dificuldades. Provocada sobretudo pelo bloqueio. É de uma hipocrisia atroz ouvir vozes imperiais falar em falta de medicamentos: fruto do bloqueio. Falar em apagões – o império faz de tudo para impedir a chegada de petróleo à Ilha. Falar na situação de saúde do povo cubano: o Império age para agravá-la.

E o Império sabe da competência dos médicos cubanos, da capacidade dos cientistas, a criar já duas vacinas contra a covid-19, e iniciar a imunização da população. Os cubanos sabem o quanto são dedicados os seus profissionais de saúde. E acrescente-se a tudo isso: a pandemia praticamente paralisou o turismo, fonte essencial de recursos do País, especialmente diante do bloqueio, a impedir o desenvolvimento de atividades capazes de garantir outras fontes.

As vozes imperiais falaram de fome em Cuba. De todos os modos possíveis, a Revolução procura garantir a alimentação do povo cubano. Tais vozes não falam do aumento da fome em todo o mundo, conforme recente relatório da ONU: 811 milhões de pessoas passaram fome em 2020. E isso, se agravado pela pandemia, é resultado sobretudo do modo de produção capitalista em sua fase neoliberal.

Lado a lado com o aumento da fome, os mais ricos do mundo ficaram mais ricos. Não há qualquer preocupação com as condições de vida em Cuba. Houvesse, e os EUA cessariam o bloqueio, e ele só se agrava. Há, isso sim, a continuidade das ações destinadas a desestabilizar o governo revolucionário.

Está certo Rogelio Polanco: Venezuela e Cuba têm demonstrado muita capacidade para resistir e derrotar as muitas tentativas de desestabilização por parte dos EUA. Polanco, do secretariado do Comitê Central do Partido Comunista Cubano, considera tal resistência possível devido sobretudo à consciência dos povos desses países, da organização e capacidade de mobilização da população cubana e venezuelana.

Muitas vozes mundo afora se levantam a favor de Cuba. O presidente do Mèxico, Manuel López Obrador, uma delas. Se alguém quer ajudar Cuba, suspenda o bloqueio – disse. Criticou, ainda, o fato de a Usaid manipular os recentes acontecimentos na Ilha, divulgando uma fotografia de protestos massivos do Egito como se fossem manifestações cubanas. O Império não tem vergonha na cara. O fato, para ele, “é apenas uma amostra do que fizeram em todo o mundo”.

O presidente Lula colocou-se frontalmente ao lado da Revolução Cubana. Não houvesse o bloqueio a tentar estrangular a Ilha desde o início dos anos 1960, e Cuba “poderia ser uma Holanda”. Propôs:

- O Biden deveria aproveitar esse momento pra ir à televisão e anunciar que vai adotar a recomendação dos países na ONU de encerrar esse bloqueio.

É um desejo de todo o mundo.

Triste dizer: os EUA não o farão.

Seguirão com a política de provocar o sofrimento do povo cubano, o quanto possa.

Aos povos do mundo, cabe defender a Revolução Cubana e suas conquistas, e, simultaneamente, bater-se por um mundo sem fome, e para tanto, lutar contra o neoliberalismo e suas consequências.

Emiliano José é Jornalista e escritor

Compartilhe:

 

FOTOS DOS ÚLTIMOS EVENTOS

  • 24.02.2020.396Desfile Ilê Aiyê. C Grande. Alb 4. 24 Fev 2020
  • 24.02.2020.253Desfile Ilê Aiyê. C Grande. Alb 3. 24 Fev 2020
  • 24.02.2020.184Desfile Ilê Aiyê. C Grande. Alb 2. 24 Fev 2020
  • 24.02.2020.098Desfile Ilê Aiyê. C Grande. Alb 1. 24 Fev 2020
  • 24.02.20.252Mudança, Magary, Motumbá. C. Grande. 24 Fev 2020
  • 24.02.20.096Didá & Respeita as Minas. Campo Grande. 24 Fev 2020

Parabéns Aniversariantes do Dia

loader
publicidade

ENSAIOS FOTOGRÁFICOS

GALERIAS DE ARTE

HUMOR

Mais charges...

ENQUETE 1

Qual é o melhor dia para sair a noite?