Salvador, 25 de May de 2018
Acesse aqui:                
facebookorkuttwitteremail
O lado perverso da folia. Por Claudio Guedes
Ajustar fonte Aumentar Smaller Font
Qua, 14 de Fevereiro de 2018 05:10

Claudio_GuedesHá três anos estava na Bahia durante o Carnaval e fui dar uma olhada na folia. Aos então 60 anos, já tinha me despedido das ruas, eu que participei ativamente durante muitos anos das festas de largo e dos carnavais na capital baiana.

Na oportunidade, fui de carro de Lauro de Freitas até o Vale do Canela, no Campus da UFBa, nas proximidades do Campo Grande, e lá estacionei. Passei o dia e parte da noite andando pela Av. Sete até o Pelourinho. Muita gente, vi a saída, linda, do Ilê e seu canto de raiz.

Na volta, ao passar pelo Campo Grande e entrar no Canela, vi cenas que me deixaram deprimido. Famílias inteiras, muitos jovens de 10 a 15 anos, amontoados, dormindo no chão. Perguntei a um jovem adolescente por que estavam ali. Ele me explicou que as famílias eram o interior e de bairros distantes do centro de Salvador e estavam ali para trabalhar, vendendo cerveja em latinhas e pequenos lanches. Passariam a semana trabalhando e dormindo naquelas condições, para levantar uma grana. Uma tristeza.

Vi, agora, na Folha, 10/02, matéria sobre isso:

"Ambulantes que armam as suas barracas, deitam nas calçadas e lá fixam a moradia por pelo menos 10 dias: esse é o cenário de centenas de profissionais autônomos - alguns vindos de longe - para extrair uma renda extra no Carnaval de Salvador. 
[...]
Dona Cássia, de 44 anos, é um exemplo disso: ela vem de Feira de Santana, a 108 km de distância de Salvador, e trouxe onze familiares e um vizinho para trabalhar ao seu lado. A família dividiu-se em três barracas montadas próximas à entrada do circuito Barra-Ondina." (Folha de S. Paulo).

O lado deprimente da folia. O repórter da Folha, provavelmente um jovem com pouca vivência, disse que são "centenas de profissionais autônomos".

Linguagem do novo credo neoliberal do pasquim paulistano. Não são centenas, são milhares de pessoas, 30 ou 40 mil, se espalham pelas ruas trabalhando de dia e noite e dormindo nas calçadas na madrugada.

E não são profissionais. Conversa fiada. São pessoas muito pobres, excluídas por um sistema econômico perverso. São, na maioria, crianças e idosos batalhando por uma grana, à margem da folia.

O lado perverso da folia. A face excludente do Brasil.

Claudio Guedes é empresário e professor universitário

Compartilhe:

 

O MELHOR DO ALDEIA NAGÔ NO SEU EMAIL

CADASTRE-SE EM NOSSO NEWSLETTER:

FOTOS DOS ÚLTIMOS EVENTOS

  • 19.05.18.030Elas Cantam Bob Marley. Pedro Arcanjo. 19 Maio 2018
  • 19.5.18.047-1Serafim e Filhos de Zé. Lebowisky. 19 Maio 2018
  • 17.05.18.001Banda Bahianomundo. Lebowski. 17 Maio 2018
  • 15.5.18.092Sarau da Casa da Mãe. 16 de Maio 2018
  • 15.05.18.081Edson Gomes. Lg Quincas Berro D'Água. 15 Mai 2018
  • 01.05.18.122Sarau da Casa da Mãe. 01 de Maio 2018

Parabéns Aniversariantes do Dia

loader
publicidade

ENSAIOS FOTOGRÁFICOS

GALERIAS DE ARTE

Mais galerias de arte...

HUMOR

  • Golpe_1
  • Categoria: Humor
Mais charges...

ENQUETE 1

Qual é o melhor dia para sair a noite?