Salvador, 14 de June de 2024
Acesse aqui:                
Banner
facebookorkuttwitteremail
Madeleine à Paris: filme que conta a história de artista baiano foi exibido no Festival do Cinema Brasileiro, em Bordeaux
Ajustar fonte Aumentar Smaller Font
Seg, 10 de Junho de 2024 21:37

Madeleine__Paris_filme_que_conta_a_histria_de_artista_baiano_foi_exibido_no_Festival_do_Cinema_Brasileiro_em_BordeauxA história do multiartista brasileiro queer, andrógino, negro e de Candomblé, que há décadas encanta Paris com sua arte, encerrou o festival no dia 2 de junho.

Robertinho, um multiartista brasileiro queer, andrógino, negro e de Candomblé há mais de três décadas encanta Paris com sua arte. Nascido em Santo Amaro da Purificação (BA), Roberto Chaves é o protagonista do filme “Madeleine à Paris”, de Liliane Mutti.

É sob o olhar sensível da cineasta - que há seis anos acompanha seus passos -, que o protagonista entra em cena para contar sua história de resistência para o mundo todo. O filme terá sua pré-estreia internacional no 26º Festival do Cinema Brasileiro, ontem, 2 de junho, encerrando o evento que aconteceu  no Cinema Utopia Bordeaux.

 “Madeleine à Paris” é um filme que mostra as dificuldades e conquistas de um imigrante latino na Europa, o sonho de um artista, os limites e as superações da vida. As raízes transculturais tecem a trama que conta a caminhada de Robertinho, entre luzes, cores e plumas. A história desse personagem da vida real é mais do que um show, é um ato de resistência.

 

“Ver minha própria vida nesse filme foi emocionante, uma redescoberta, onde revivi momentos do passado que me trouxeram até aqui. É muito gratificante ver os desafios e prazeres de tudo que passei, uma experiência mágica poder contar isso em um filme”, destacou Robertinho.

 O artista, que foi convidado para ir à Paris pela primeira vez quando ainda era office boy no gabinete do então vereador de Salvador, GIlberto Gil, é o idealizador da mais importante tradição afro-brasileira na Europa, a “Lavagem de Madeleine”, que, há mais de duas décadas é símbolo da cultura brasileira no país. O cortejo da “Lavagem de Madeleine” acontece há 22 anos em Paris, inspirado na Lavagem do Senhor do Bonfim e abre o calendário do verão europeu. A festividade começa na Praça da República de Paris e vai até a Igreja da Madeleine, onde lava-se  as escadarias da igreja.

A celebração reúne a cada ano cerca de 60 mil pessoas, seguindo o trio-elétrico puxado por Carlinhos Brown e Roberto Chaves. Franceses, brasileiras e brasileiros, pessoas de diferentes nacionalidades, misturam-se nas ruas da capital francesa dançando ao ritmo dos atabaques. A lavagem integra ainda, a Rota dos Escravizados da UNESCO.

No filme, assistimos Robertinho como um orixá do cortejo da Lavagem e à noite, a outra faceta, com sua fantasia e performance de arlequim, no Cabaré Paradis Latin, onde começou a trabalhar há 33 anos. Em um sincretismo rítmico, particular e singular, Robertinho circula entre o tradicional catolicismo francês e sua origem de Axé, do recôncavo baiano, de quem cresceu sob a guarda e benção de Dona Canô, mãe de Caetano Veloso e Maria Bethânia. Entre uma edição da Lavagem e outra, ele viaja ao Brasil em busca de suas raízes familiares e espirituais.  Suas vivências entre os dois países, entre o masculino e o feminino, o sagrado e o profano, fazem do filme um profundo mergulho em busca da sua identidade.

“Madeleine à Paris é um road movie afro-queer entre Paris e Santo Amaro da Purificação, na Bahia”, conta Liliane Mutti, que coloca as duas cidades em diálogo no seu filme. “Essas duas cidades aparentemente tão opostas, são co-protagonistas do longa. Viajar por Paris no olhar desse imigrante ou pelo interior da Bahia na sua volta às raízes, nos dá a dimensão de como o mundo é diverso e de que a arte carrega a potência de romper fronteiras e inventar novos mundos possíveis”, destaca Liliane, que também aposta que esse é um filme pós-colonial: “a festa também é lugar de luta”.

O filme está previsto para chegar às telas dos cinemas brasileiros ainda em 2024, com distribuição da Bretz Filmes (BR). A obra é uma realização da produtora baiana Toca Filmes, com produção associada na França de François Combin (Urubu Filmes). Dirigido por Liliane Mutti (“Miúcha, a voz da Bossa Nova”; “Salut, mes ami.e.s !”; “Elle, Marielle Franco”), o filme tem direção de fotografia de Daniel Zarvos, que também assina a produção executiva, com narração do ator francês Christopher Ecobichon.

Foto: Daniel Zarvos

Compartilhe:

Última atualização em Ter, 11 de Junho de 2024 01:42
 

FOTOS DOS ÚLTIMOS EVENTOS

  • mariofoto1_MSF20240207-088Lavagem Funceb. 08.02.24. Alb 2. Foto: Mário Sérgio
  • mariofoto1_MSF20240207-055Lavagem Funceb. 08.02.24. Alb 1. Foto: Mário Sérgio
  • mariofoto1_MSF20240203-005Fuzuê Alb 1. 03.02.2024. Fotos: Mário Sérgio
  • mariofoto1_MSF20240203-121Fuzuê Alb 2. 03.02.2024. Fotos: Mário Sérgio
  • mariofoto1_MSF20240203-284Fuzuê Alb 3. 03.02.2024. Fotos: Mário Sérgio
  • mariofoto1_MSF20240203-380Fuzuê Alb 4. 03.02.2024. Fotos: Mário Sérgio
  • mariofoto1_MSF20240112-0913Beleza Negra do ilê. Alb 1. 13.01.24 By Mario Sérgio
  • mariofoto1_MSF20240112-1119Beleza Negra do ilê. Alb 2. 13.01.24. By Mário Sérgio
  • mariofoto1_MSF20240112-1385Beleza Negra do Ilê. Alb 3. 13.01.24 By Mário Sérgio
  • mariofoto1_MSF20240112-1599Beleza Negra do Ilê. Alb 4. 13.01.24 By Mário Sérgio

Parabéns Aniversariantes do Dia

loader
publicidade

ENSAIOS FOTOGRÁFICOS

GALERIAS DE ARTE

HUMOR

  • Aves de Rapina_1
  • Categoria: Charges
Mais charges...

ENQUETE 1

Qual é o melhor dia para sair a noite?