Salvador, 19 de agosto de 2019
Acesse aqui:                
facebookorkuttwitteremail
Erro
  • Your server has Suhosin loaded. Please follow this tutorial.
Literatura
Calendário de Eventos help
Weekly View
Ver por Semana
Daily View
Veja Hoje
Categories
Ver por Categorias
Search
Buscar
Lançamento da segunda edição do livro Música e ancestralidade na Quixabeira de Sandro Santana
Segunda-feira 20 Maio 2019, 19:00 - 22:00

Acessos : 482

“A questão é precisamente saber se o passado deixou de existir, ou se ele simplesmente deixou de ser útil. Você define arbitrariamente o presente como o que é, quando o presente é simplesmente o que se faz."   (Henri Bergson)


Partir da memória coletiva, da doação de gerações pregressas e do presente, para estabelecer uma comunicação com o ancestral como inspiração para propor interferências no presente. Esta é uma das motivações que levaram ao lançamento da segunda edição do livro “Música e ancestralidade na Quixabeira”, de Sandro Santana. Esta versão ampliada e revisada do livro inclui o capítulo “Tradição, memória e esquecimento”, no qual o pesquisador empreende uma análise dialógica a respeito dos conceitos de memória e esquecimento, a partir das ideias de Paul Zumthor, numa encruzilhada multidisciplinar com pensadores como Henri Bergson, Alfredo Bosi, Maurice Halbwachs e Stuart Hall. O evento ainda conta com a apresentação do pocket show do grupo de cultura popular Quixabeira da Comunidade de Lagoa da Camisa. O lançamento em Salvador acontece no dia 23 de maio, às 19 horas, na Tropos, Rio Vermelho.

O livro é um desdobramento do projeto homônimo contemplado pela Bolsa Funarte de Produção Crítica Sobre as Interfaces dos Conteúdos Artísticos e Culturas Populares (2009), concedida para o autor empreender uma pesquisa e a produção do texto. O estudo tem como objetivo fazer uma reflexão acerca do papel da música e da ancestralidade enquanto instrumentos catalisadores das relações sociais e base estrutural dos processos identitários nas comunidades situadas na área de transição entre o recôncavo e o sertão, que tem início no agreste baiano e se expande até a região sisaleira. “Quando apresentei este projeto de pesquisa à Funarte o meu desejo era compreender as origens dessa musicalidade vibrante, cheia de vida e de cores, simples e poética, que emociona e nos conta parte da nossa história”, explica o autor.

Essas comunidades têm em comum, além da agricultura de subsistência, com o predomínio do cultivo do feijão, milho e mandioca, seus cantos de trabalho e celebrações profano-religiosas. Numa região onde historicamente  as oportunidades dentro da educação básica são para poucos, a leitura e a alfabetização luxos ao qual o lavrador isolado em pequenas comunidades não pode se dar, os sambas de roda e martelo, os bois de roça e roubado, as batas de milho e feijão, as chulas, farinhadas e reisados têm um papel estratégico na sociabilidade e transmissão da sua cultura centenária.

Segundo Santana, a ideia desse estudo nasceu da experiência como produtor do Grupo Quixabeira de Lagoa da Camisa, desde 2001. As práticas simbólicas e o acompanhamento de manifestações culturais na Comunidade despertaram o desejo de aprofundar algumas reflexões que se embasam na convivência e na reciprocidade estabelecida com os seus membros através da relação com o Grupo, que já rendeu a gravação de dois CD, um curta-metragem, shows na Bahia, Rio de Janeiro, São Paulo, Brasília e Minas Gerais e a produção de um documentário “Cantos de trabalho: bois, batas e cantigas”, premiado no Edital Bahia na Rede (FSA/ IRDEB), no qual Santana acumula as funções de diretor, roteirista e diretor musical.

Memória e esquecimento – Na cultura popular, objeto desta pesquisa, memória e esquecimento estão imbricados e são responsáveis pela construção de uma narrativa que engendra o indivíduo na memória social da coletividade e garante a coesão de um grupo social, adverte o autor. Assim, estes dois elementos são indissociáveis. Se a memória aciona a tradição; o esquecimento rejeita e seleciona os elementos que garantem ou não a funcionalidade de uma tradição no presente daquele grupo. A memória de um indivíduo não pode prescindir da sua aplicabilidade nos “quadros sociais da memória” para sobreviver, ou seja, que faça parte de uma base comum que define o que deve se lembrar e o que se deve esquecer. Caso contrário, ela perde a sua funcionalidade, pois se esta primeira lembrança foi suprimida, se não nos é mais possível reencontrá-la é porque há muito tempo não fazemos parte do grupo na memória do qual ela se mantinha.

Para que a nossa memória se aproveite da memória dos outros membros de uma comunidade, não basta que estes nos apresentem seus testemunhos: também é preciso que ela não tenha deixado de concordar com as memórias coletiva e que existam muitos pontos de contato entre uma e outras para que a lembrança que nos fazem recordar venha a ser construída sobre uma base comum. Não basta reconstituir pedaço a pedaço a imagem de um acontecimento passado para obter uma lembrança. É preciso que essa reconstrução funcione a partir de dados ou de noções comuns que estejam em nosso espírito e também no dos outros, porque elas estão sempre passando destes para aquele e vice-versa, o que será possível somente se tiverem feito parte e continuarem fazendo parte de uma mesma sociedade, de um mesmo grupo.


Este projeto é realizado com recursos do Fundo de Cultura do estado da Bahia.


Sobre o autor:

Sandro Santana é doutor em Cultura e Sociedade pela Universidade Federal da Bahia (2019), mestre pela mesma instituição (2007) e graduado em comunicação social pela Facom/ UFBA. Escreveu os livros "Música e ancestralidade na Quixabeira" (EDUFBA, 2012), que chega a sua segunda edição em 2019, e  “Festival de Música Educadora FM - 10 anos" (IRDEB, 2015). Diretor, roteirista e diretor musical do documentário "cantos de trabalho: Bois, batas e cantigas" (em produção). Já produziu três CD's e centenas de shows em diversos estados do país. Tem experiência na área de comunicação e produção cultural, com ênfase em redação de textos e artigos, assessoria de comunicação e produção musical, roteiro e direção, atuando principalmente nos seguintes temas: políticas culturais; economia da cultura; cinema brasileiro; cultura popular; cinema e história, análise fílmica; cinema e estado; música e ancestralidade.

 

Valor Acesso Grátis

Quando: Dia 23, Quinta Feira, 19 h. Pockeet Show: Quixabeira de Lagoa da Camisa (21 h). Esta versão ampliada e revisada do livro inclui o capítulo “Tradição, memória e esquecimento”

Localização  Tropos Gastrobar - Rio Vermelho
Rua Ilhéus, 214, Parque Cruz Aguiar, Rio Vermelho
Brasil/Bahia/Salvador
41940-570

Compartilhe:

Voltar

O MELHOR DO ALDEIA NAGÔ NO SEU EMAIL

CADASTRE-SE EM NOSSO NEWSLETTER:

FOTOS DOS ÚLTIMOS EVENTOS

  • 06.03.19.055Patuskada para Exu Bouzanfrain. 06 Mar 2019
  • 05.03.19.153Carnaval no Pelô. Alb 2. 05 Mar 2019
  • 05.03.19.038Carnaval no Pelô. Alb 1. 05 Mar 2019
  • 04.03.19.238-1Ilê Aiyê. Campo Grande. Alb 2. 04 Mar 2019
  • 04.03.19.259Ilê Aiyê. Campo Grande. Alb 1. 04 Mar 2019
  • 04.03.19.163Mudança do Garcia. Festa Ednice. 04 Mar 2019

Parabéns Aniversariantes do Dia

loader
publicidade

ENSAIOS FOTOGRÁFICOS

GALERIAS DE ARTE

HUMOR

  • Cocaina_1
  • Categoria: Humor
Mais charges...

ENQUETE 1

Qual é o melhor dia para sair a noite?
 

Compartilhe: