Salvador, 11 de December de 2019
Acesse aqui:                
facebookorkuttwitteremail
Erro
  • Your server has Suhosin loaded. Please follow this tutorial.
Teatro
Calendário de Eventos help
Weekly View
Ver por Semana
Daily View
Veja Hoje
Categories
Ver por Categorias
Search
Buscar
Ato performático Assentamento
Domingo 18 Agosto 2019, 19:00

Acessos : 450

Programado para estrear dia 09 de agosto o projeto Djeli - estratégias de arte e magia, que abrange duas obras cênicas-rituais interligadas - o solo Abiã e o ato performático Assentamento – é adiado para o dia 16 de agosto. Desta forma, a estreia da primeira obra será na sexta-feira, 16 de agosto, e a estreia do ato performático no sábado 17 de agosto, ambos às 19h.



A produção do projeto informa ao espectador que já adquiriu ingresso para o período de 09, 10 e 11 de agosto pode realizar a troca do voucher. Aqueles que só poderiam assistir neste final de semana e queiram ser ressarcidos é só entrar em contato com a produção através da página no Instagram (@djelidjelidjeli) ou e-mail: Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. . Os ingressos já estão sendo vendidos no site SYMPLA.



Sob a provocação e orientação cênica de Diego Mavamba - que protagoniza Abiã e em 2019 completa 15 anos de carreira, o projeto Djeli desenterra os mitos que “nos prendem a um sistema em cárcere”. “Em Abiã e Assentamento, tentamos desvendar os traumas do corpo negro através de uma linha atemporal, por entre os discursos dos nossos mitos pessoais. Não estamos falando de ficção e sim de narrativas do inconsciente/consciente”, conceitua Mavamba.



As pesquisas que levaram às obras estão associadas aos primórdios da cultura dos povos que falam línguas mandês (Guiné, Gana, Libéria, Costa do Marfim e outros). Nessas sociedades, os historiadores orais - os djeli ou griots/griô - trabalham com a palavra, a música e o canto, são vistos como transformadores tanto do invisível quanto do concreto, especialistas do conhecimento da história.



“Para o resgate dessa linhagem, num período tão importante da história mundial ou do que fizeram dela trazemos dois espetáculos sobre jornada e cura, sobre o entre, sobre diversidade”, pontua Mavamba.



Jornada

Assentamento é um território político, é o quilombo, o assentar do ori, do equilíbrio, da equidade. Apresentado de 17 de agosto a 08 de setembro, aos sábados e domingos, às 19h, este ato performático resgata e ressignifica em suas instalações a ideia de uma diáspora negra. Os performers Frutífera Ilha e Hiago Ruan estão em processo de reconstrução dos seus jovens territórios-corpos, dançando os labirintos de uma cabeça negra e todas as questões fundamentais de sua existência.



“Neste ato performático, as ‘micro’ potências pessoais são uma espécie de incorporamento e irradiação do reflexo e do reconhecimento. Assentamento é um sentimento, a filosofia de um corpo em constante Transformação”, explica Mavamba, que utilizou textos autorais, escritos do artista Heron Sena, e os conceitos dos pesquisadores baianos Laís Machado e Diego Pinheiro como pretextos para que os performers dancem os labirintos de suas cabeças afro diaspóricas.



É levado à cena o corpo apocalíptico e diaspórico proposto por Frutífera Ilha, corpo incompreendido e violentado pelo patriarcado e misoginia, que é ressignificando através de utopia afropunk, afrofuturista e Drag queen. Hiago Ruan é o corpo da "bixa" preta, bailarino, marcado pelos movimentos de contracultura pós-1950. A "bixa" que traz uma nova identidade ao masculino. É um corpo híbrido. É a serpente que se desdobra em sua dança e seu legado de realeza. Por fim a essas duas dissidências foi dada a missão de recriar o mundo!



ABIÃ

Nesta jornada em busca da reconstrução das histórias dos corpos negros, o solo ABIÃ - NGÀBYÍ YÌÁN, O FETO SAGRADO com o performer Diego Mavamba, que estará em cartaz de 16 de agosto a 06 de setembro, às sextas-feiras, às 19h, anuncia a chegada de um filho sagrado à terra. O solo é um espetáculo-oficina em que há uma interação entre performer e espectador, numa intersecção do rito de Diego Mavamba e seus processos iniciáticos, em que se é revelado o sagrado presente nos corpos daqueles que vivenciarão a experiência cênica-ritual.



Ao trazer o Sol como símbolo-guia da obra, Abiã traz uma relação entre arte e xamanismo, como as antigas artes africanas e dos povos originários do Brasil. “O solo é uma epopeia diaspórica na busca de desfragmentar a ideia de arte x ciência x espiritualidade e traz os dispositivos primitivos da contação de histórias dos Djeli/Griô e da Dança”, explica Diego Mavamba.



O multiartista, que debuta em 2019, traz ao solo as reverberações de poéticas que compõem sua trajetória de performer, tais como, os alárìnjó - artistas que cantam e dançam enquanto caminham (QUASEILHAS - Plataforma ÀRÀKÁ) - e as kimbandas - entidades negras andróginas da recente história medieval da Bahia (AFRONTE - AKULOBEE - Thiago Romero).



Muitos adeptos do Candomblé pouco sabem a real origem da palavra Abiã, seu significado e sua importância, pois ela é maior que um título que se recebe nas religiões de matriz africana. Abiã é o elo de ligação entre o ventre sagrado de Yiá Òrí e a Ancestralidade. De acordo com o Babalorixá Oríoxê, quando a palavra Abiã - junção de Ngàbyí = abençoado/iluminado e Yìán = o escolhido - era pronunciada pelos Nùpés todos faziam reverência, era anunciada a chegada de mais um filho sagrado à Terra.



Música performance

Neste caminhar em busca da ressignificação dos corpos negros, o diretor musical Filipe Mimoso - do estúdio criativo GANA - propõe a musicalidade como fio condutor e preenchimento dos discursos e das performances. “Como as obras têm pouquíssimos textos, a música assume um lugar de atmosfera narrativa, transmitindo e potencializando as mensagens trazidas a cena. É uma música que acompanha os processos de transmutação desses cinco artistas no solo Abiã e no ato Assentamento”.



Por fim, para emanar cura, esses espetáculos celebram o orí, afim de espantar as mazelas que atormentam a sanidade negra e a música conduz e se deixa ser conduzida pelos corpos. “É um corpo que se movimenta também”, finaliza Mimoso.



GANA

A artista visual Mayara Ferrão, do estúdio criativo GANA - que também é um selo musical, também compõe a equipe de DJeli e propõe um design de fotografia e mapping em Transe da Memória, fundindo digital e analógico, propondo um ruído geográfico entre América latina e África.



A GANA surge das possibilidades de se conectar, trocar, experimentar e somar com outrxs artistas que não possuem uma estrutura técnica adequada e sem dinheiro algum pra investir e desenvolver suas carreiras. O disco Nada de Novo Sob o Sol, de Trevo, ou a Demotape, do coletivo Underismo, são umas das recentes contribuições para o cenário da Arte Negra Contemporânea.



SERVIÇO

O Quê? ABIÃ - NGÀBYÍ YÌÁN, O FETO SAGRADO - com Diego Mavamba

Quando: 16, 23, 30 de agosto, e 06 de setembro, às 19h

Onde: Laboratório de Experimentação Estética do Museu de Arte da Bahia - Av. Sete de Setembro, 2340 - Corredor da Vitória

Ingresso: R$20 (inteira) e R$10 (meia) - ingressos antecipados no Sympla



SERVIÇO

O Quê? Assentamento

Quando: 17, 18, 24, 25 e 31 de agosto; 01, 07 e 08 de setembro, às 19h

Onde: Laboratório de Experimentação Estética do Museu de Arte da Bahia - Av. Sete de Setembro, 2340 - Corredor da Vitória
Ingresso: R$20 (inteira) e R$10 (meia) - ingressos antecipados no Sympla

 

Valor  R$ 20 (inteira) e R$10 (meia) - ingressos antecipados no https://www.sympla.com.br/djeli-assentamento---10082019__585913

Sob provocação e orientação cênica de Diego Mavamba, quatro performers – Gilberto Reys, Frutífera Ilha, Hiago Ruan e Jamile Dionísia Ferreira - estão em processo de reconstrução dos seus jovens territórios-corpos, dançando os labirintos de

Localização  Museu de Arte da Bahia - MAB
Av. Sete de Setembro 2340- Corredor da Vitória
Brasil/Bahia/Salvador
41730-101

Compartilhe:

Voltar

O MELHOR DO ALDEIA NAGÔ NO SEU EMAIL

CADASTRE-SE EM NOSSO NEWSLETTER:

FOTOS DOS ÚLTIMOS EVENTOS

  • 30.11.19.0515ª Marcha do Emp Crespo 30 Nov por Alberto Lima
  • 01.12.19.042Caminhada Samba. 01.Dez. Por Edgar de Souza
  • 10.11.19.132Festival Radioca.10 Nov, Por Rafael Passos
  • 28.09.19.006Rock Rural Janah e Raul. Casarão. 28 Set 2019
  • 06.03.19.075Patuskada para Exu Bouzanfrain. 06 Mar 2019
  • 05.03.19.197Carnaval no Pelô. Alb 2. 05 Mar 2019

Parabéns Aniversariantes do Dia

loader
publicidade

ENSAIOS FOTOGRÁFICOS

GALERIAS DE ARTE

ENQUETE 1

Qual é o melhor dia para sair a noite?
 

Compartilhe: