Salvador, 14 de June de 2024
Acesse aqui:                
Banner
facebookorkuttwitteremail
Dando o que Falar


Presidentes dos EUA que apostam no Armagedom Nuclear. Por Jeffrey Sachs
Dando o que Falar
Dom, 02 de Junho de 2024 07:20

Jeffrey_D._SachA principal função de qualquer presidente dos EUA é manter a nação segura. Na era nuclear, isso significa principalmente evitar o Armagedom nuclear.

 
A liberdade fake e o Marquês de Sade. Por Eugênio Bucci
Dando o que Falar
Sáb, 25 de Maio de 2024 05:43

eugenio-bucciA liberdade fake, a liberdade sádica, que no fundo é a negação de toda liberdade, está levando o Brasil ao naufrágio total

“Mercadores do caos”. É assim que o editorial do jornal O Estado de S. Paulo do dia 15 de maio qualificou aqueles que difundem mentiras sobre as enchentes no Rio Grande do Sul. O texto vai no ponto: “Bolsonaristas andam espalhando desinformação porque, inimigos da democracia que são, a eles interessa minar a capacidade dos cidadãos de confiar uns nos outros.” Palavras precisas. Justas.

O quadro é alarmante, não só pelas águas que dizimam cidades inteiras, mas também pela propagação industrializada e intencional de desorientação. Com a cidadania submersa, a perversão do fanatismo antidemocrático jorra pelos bueiros. Há mensagens inconcebíveis circulando massivamente. Umas afirmam que não adianta fazer doações porque o governo federal está barrando caminhões que rumam para o Rio Grande do Sul. Falso. Outras sustentam que exército e os bombeiros negam ajuda aos desabrigados. Invenção dolosa. Os exemplos de má fé são caudalosos, tóxicos, e, embora sejam desmascarados a toda hora, deixam rastros de devastação moral e cívica.

A produção em larga escala de mais essa leva de fake news é um trabalho de organizações subterrâneas e subaquáticas que operam longe da luz do dia e consomem rios de dinheiro infecto. São usinas superindustriais que geram as falácias aos borbotões e nunca aparecem publicamente – atuam no submundo, clandestinas. Mais que soturnas e esquivas, são usinas invisíveis. Mais do que abjetas, são eficazes. Abastecem caudalosamente as multidões de idiotas inúteis que trabalham de graça, noite e dia, para fazer escoar todas as sandices asfixiantes pelas redes (anti)sociais.

Se as grandes organizações da mentira atuam nas sombras, os operários alienados e alienantes que trabalham para elas como escravos mostram sua cara sorridente. São os tios e tias do Zap, você os conhece. Quando interpelados pelo bom senso do vizinho de condomínio, protegem-se na desculpa de que apenas exercem sua “liberdade de expressão”. Estão errados em tudo, inclusive nisso. Estão errados principalmente nisso.

Em primeiro lugar, as agências camufladas de onde recebem a porcariada que distribuem não têm direito à liberdade de expressão, nem poderiam ter. A liberdade de expressão é um direito da pessoa humana, não de pessoas jurídicas ou de organizações criminosas. O Estado, as empresas e os partidos políticos não têm liberdade de expressão, pois não são pessoas. A liberdade de expressão é um direito humano, um direito de gente de carne e osso, não uma licença econômica ou corporativa.

Portanto, quando um desses grupelhos ilegais ou uma dessas big techs impulsionam falsidades que lesam a saúde pública e a integridade física de milhões de seres humanos, não é de liberdade de expressão que estamos falando, mas de um inaceitável abuso do poder econômico. A finalidade desse tipo de abuso é fazer propaganda do caos e instaurar um ambiente em que “ninguém acredita em mais nada”, como sintetizou Hannah Arendt numa célebre entrevista. Em resumo, não aceitemos mais chamar de “liberdade de expressão” o que não passa de abuso destrutivo do poder econômico.

Isto posto, falemos agora da liberdade das pessoas, as tais idiotas inúteis que se comprazem com a tarefa de disseminar as notícias fraudulentas em troca de nada – ou, melhor dizendo, em troca do gozo imaginário de se olharem no espelho e se chamarem de “patriotas”. As voluntárias do obscurantismo, por certo, contam com o direito de proferir reproduzir tolices de mau gosto. Sim, elas são livres para pronunciar o impronunciável. Elas só não têm direito de dar seguimento a crimes.

Aí vem o ponto mais embaraçoso. Elas não sabem distinguir uma coisa da outra. A ideia que carregam de liberdade é uma não-ideia: elas concebem a liberdade como uma espécie de bocarra, uma porteira aberta nas fronteiras do corpo para dar vazão aos impulsos viscerais, a despeito das convenções e das normas básicas do convívio civilizado. A liberdade seria, enfim, o triunfo do bicho sobre o humano. É como se o sujeito dissesse “eu sou livre para oprimir você e exercer contra você a minha estupidez essencial”.

E qual a origem dessa concepção pulsional de liberdade? Sigo aqui a sugestão do psicanalista Ricardo Goldenberg. Em um breve ensaio, “Do cinismo ao descaramento” (no livro O mal-estar na cultura revisitado, organizado por Lucia Santaella, publicado pela Estação das Letras e Cores), Ricardo Goldenberg localiza no Marquês de Sade (1740-1814) fantasia de que a “liberdade individual” incluiria um suposto “direito” de “gozar do próximo sem nenhum entrave” (“gozar”, aqui, é sinônimo de abusar).

Em Sade, o sujeito livre é aquele que consegue juntar o pior vício da aristocracia (dispor do corpo do outro como dispõe da terra) ao pior vício da burguesia (explorar energia do outro para acumular dinheiro e prazer). Em suma, o homem livre é amoral, assassino, pedófilo, estuprador e ditador. No meio de tamanha enchente de mentiras, a gente pode acrescentar: e fascista. A liberdade fake, a liberdade sádica, que no fundo é a negação de toda liberdade, está levando o Brasil ao naufrágio total.

*Eugênio Bucci é professor titular na Escola de Comunicações e Artes da USP. Autor, entre outros livros, de Incerteza, um ensaio: como pensamos a ideia que nos desorienta (e oriente o mundo digital) (Autêntica). [https://amzn.to/3SytDKl]

Publicado originalmente no jornal O Estado de S. Paulo.

 
A “multipolaridade” e o declínio crônico do Ocidente. Por José Luís Fiori
Dando o que Falar
Dom, 19 de Maio de 2024 07:04

jose-luis-fiori_A defesa da multipolaridade será cada vez mais a bandeira dos países e dos povos que se insurgem neste momento contra o imperium militar global exercido pelo Ocidente

 
Os argumentos do Banco Central não são convincentes. Por Paulo Nogueira Batista Jr
Dando o que Falar
Sex, 17 de Maio de 2024 09:45

paulo-nogueira-batista-jrVolto a escrever sobre a extravagante política de juros do Banco Central. O assunto é vasto; vou me ater ao que parece mais relevante na atual conjuntura brasileira.

 
A Bomba da Desdolarização: a Chegada do Ecossistema Monetário Descentralizado dos BRICS+. Por Pepe Escobar
Dando o que Falar
Qui, 16 de Maio de 2024 05:06

Pepe_EscobarBem-vindos à  Unidade – conceito que já foi discutido pelo grupo de trabalho de serviços financeiros e investimentos criado pelo Conselho Empresarial dos BRICS+, e que tem boas chances de se converter na política oficial dos  BRICS+ já em 2025.

 
Carrascos voluntários de Israel. Por Chris Hedges
Dando o que Falar
Ter, 14 de Maio de 2024 03:16

chris-hedgesCentenas de milhares de pessoas estão sendo forçadas a fugir depois que mais da metade da população de Gaza se refugiou na cidade fronteiriça de Rafah.

 
A rebelião dos manés – derrota provisória?. Por Laymert Garcia dos Santos
Dando o que Falar
Ter, 07 de Maio de 2024 01:14

LAYMERT-GARCIA-DOS-SANTOSConsiderações a partir do livro “8/1 A rebelião dos manés ou Esquerda e direita nos espelhos de Brasília”

 
Labirinto da extrema direita por Luiz Marques
Dando o que Falar
Qua, 24 de Abril de 2024 02:40

Luiz_MarquesA ascensão da extrema direita no plano internacional desafia a intelligentsia progressista. Entre as variáveis apontadas acham-se a globalização que divide a sociedade em vencedores e perdedores, o impacto com a profusão

 
Fui banido da Alemanha por defender a causa palestina. Por Yanis Varoufakis
Dando o que Falar
Qua, 24 de Abril de 2024 01:33

Yanis_VaroufakisNa semana passada, o Ministério do Interior da Alemanha emitiu um Betätigungsverbot contra mim, uma proibição de qualquer atividade política – não apenas uma proibição de visitar a Alemanha,

 
O 25 de Abril da nossa perplexidade. Por Boaventura de Sousa Santos
Dando o que Falar
Qua, 24 de Abril de 2024 01:04

boaventura-de-sousa-santosHá quarenta anos escrevo um artigo sobre cada década da revolução do 25 de abril de 1974. A análise das prioridades interpretativas ou prospectivas mostra que ao longo dos anos me fui enfrentando com dois ressentimentos,

Última atualização em Qua, 24 de Abril de 2024 01:20
 
Algoritmo da morte: Inteligência Artificial gerou 36 mil alvos humanos a eliminar na Faixa de Gaza. Por Dorrit Harazim
Dando o que Falar
Sáb, 20 de Abril de 2024 02:53

Dorrit_HarazimAté pouco tempo atrás o jornalismo independente da revista on-line +972, com sede em Tel Aviv, era pouco conhecido fora das fronteiras do Oriente Médio.

 
«InícioAnterior12345678910PróximoFim»

Página 1 de 344

FOTOS DOS ÚLTIMOS EVENTOS

  • mariofoto1_MSF20240207-115Lavagem Funceb. 08.02.24. Alb 2. Foto: Mário Sérgio
  • mariofoto1_MSF20240207-082Lavagem Funceb. 08.02.24. Alb 1. Foto: Mário Sérgio
  • mariofoto1_MSF20240203-024Fuzuê Alb 1. 03.02.2024. Fotos: Mário Sérgio
  • mariofoto1_MSF20240203-193Fuzuê Alb 2. 03.02.2024. Fotos: Mário Sérgio
  • mariofoto1_MSF20240203-231Fuzuê Alb 3. 03.02.2024. Fotos: Mário Sérgio
  • mariofoto1_MSF20240203-363Fuzuê Alb 4. 03.02.2024. Fotos: Mário Sérgio
  • mariofoto1_MSF20240112-0973Beleza Negra do ilê. Alb 1. 13.01.24 By Mario Sérgio
  • mariofoto1_MSF20240112-1173Beleza Negra do ilê. Alb 2. 13.01.24. By Mário Sérgio
  • mariofoto1_MSF20240112-1252Beleza Negra do Ilê. Alb 3. 13.01.24 By Mário Sérgio
  • mariofoto1_MSF20240112-1523Beleza Negra do Ilê. Alb 4. 13.01.24 By Mário Sérgio

Parabéns Aniversariantes do Dia

loader
publicidade

ENSAIOS FOTOGRÁFICOS

GALERIAS DE ARTE

HUMOR

  • Impeachement_1
  • Categoria: Charges
Mais charges...

ENQUETE 1

Qual é o melhor dia para sair a noite?