Salvador, 23 de July de 2024
Acesse aqui:                
facebookorkuttwitteremail
Fui banido da Alemanha por defender a causa palestina. Por Yanis Varoufakis
Ajustar fonte Aumentar Smaller Font
Dando o que Falar
Qua, 24 de Abril de 2024 01:33

Yanis_VaroufakisNa semana passada, o Ministério do Interior da Alemanha emitiu um Betätigungsverbot contra mim, uma proibição de qualquer atividade política – não apenas uma proibição de visitar a Alemanha, mas também de participar de videoconferências organizadas no país. Não posso nem ter um vídeo meu gravado em eventos alemães.

O problema começou quando a polícia alemã resolveu invadir o local do nosso congresso sobre a Palestina, em Berlim, para dissolver ele – que foi organizado pelo Movimento Democracia na Europa 2025 (DiEM25). Julguem por si próprios que tipo de sociedade a Alemanha se tornará se a sua polícia proibir a reação dos oprimidos.

arabéns e sinceros agradecimentos por estar aqui – apesar das ameaças, apesar da polícia com suas armaduras lá fora, apesar do conglomerado da imprensa alemã, apesar do Estado alemão, apesar do sistema político alemão que demoniza você por estar aqui.

“Por que um congresso palestino, senhor Varoufakis?” – me perguntou um jornalista alemão recentemente. Porque, como disse uma vez Hanan Ashrawi, “não podemos contar com os silenciados para nos contarem sobre o seu sofrimento”.

Hoje, a razão de Ashrawi se tornou deprimentemente mais forte, porque não temos como contar com os silenciados, que também foram massacrados e esfomeados, para nos relatar os massacres e a fome.

Mas há também outra razão: porque um povo orgulhoso e decente, o povo da Alemanha, é levado por um caminho perigoso para se tornar uma sociedade sem coração, ao ser obrigada a se associar a outro genocídio levado a cabo em seu nome, com a sua cumplicidade.

Não sou judeu nem palestino. Mas estou extremamente orgulhoso de estar aqui entre judeus e palestinos – para juntar a minha voz com as vozes judaicas e palestinas  pela paz e pelos direitos humanos universais. Estarmos juntos aqui hoje é a prova de que a convivência

“Por que não um congresso judaico, senhor Varoufakis?” perguntou-me o mesmo jornalista alemão, imaginando que estava a ser inteligente. Acolhi bem sua pergunta.

Pois se um único judeu for ameaçado, em qualquer lugar, só porque é judeu, usarei a Estrela de David na lapela e oferecerei a minha solidariedade – custe o que custar.

Os direitos humanos universais ou são universais ou não significam nada.

Portanto, sejamos claros: se os judeus estivessem sob ataque, em qualquer parte do mundo, eu seria o primeiro a angariar um congresso judaico no qual pudesse registar a nossa solidariedade.

Da mesma forma, quando os palestinos forem massacrados porque são palestinos – sob o dogma de que para estarem mortos e serem palestinos, devem ter sido do Hamas – usarei o meu keffiyeh e oferecerei a minha solidariedade custe o que custar, custe o que custar.

Os direitos humanos universais ou são universais ou não significam nada.

Com isso em mente, respondi à pergunta do jornalista alemão com algumas das minhas próprias perguntas:

Será que foram dois milhões de judeus israelenses os expulsos das suas casas e colocados numa prisão ao ar livre há oitenta anos, que continuam a ser mantidos naquela prisão ao ar livre, sem acesso ao mundo exterior, com o mínimo de comida e água, sem qualquer hipótese de de uma vida normal ou de viajar para qualquer lugar, sendo bombardeado periodicamente durante estes oitenta anos? Não.

Estarão os judeus israelenses a ser intencionalmente vítimas de fome por parte de um exército de ocupação, com os seus filhos se contorcendo no chão, gritando de fome? Não.

Existem milhares de crianças judias feridas, sem pais sobreviventes, rastejando pelos escombros do que costumavam ser suas casas? Não.

Estarão os judeus israelenses sendo bombardeados pelos aviões e bombas mais sofisticados do mundo? Não.

Estarão os Judeus Israelenses experimentando um ecocídio completo da pequena terra que ainda podem chamar de sua, sem nenhuma árvore sob a qual possam procurar sombra ou cujos frutos possam saborear? Não.

As crianças judias israelenses são mortas hoje por franco-atiradores por ordem de um Estado membro das Nações Unidas (ONU)? Não.

Os judeus israelenses são hoje expulsos de suas casas por gangues armadas? Não.

Israel está lutando pela sua existência hoje? Não.

Se a resposta a qualquer uma destas perguntas fosse sim, eu estaria hoje mesmo participando de um congresso de solidariedade judaica.

Hoje, teríamos adorado ter um debate decente, democrático e mutuamente respeitoso sobre como levar a paz e os direitos humanos universais a todos – judeus e palestinos, beduínos e cristãos – do rio Jordão ao mar Mediterrâneo, com pessoas que pensam de forma diferente umas das outras.

Infelizmente, todo o sistema político alemão decidiu não permitir isso. Numa declaração conjunta que incluía não apenas a CDU-CSU (União Democrática Cristã – União Social Cristã na Baviera) e o FDP (Partido Democrático Livre), mas também o SPD (Partido Social Democrata), os Verdes e, notavelmente, dois líderes de Die Linke (A Esquerda), o espectro político da Alemanha uniu forças para garantir que um debate tão civilizado, no qual podemos discordar agradavelmente, nunca tenha lugar na Alemanha.

Eu digo a vocês: querem nos silenciar, nos banir, nos demonizar, nos acusar. Portanto, vocês não nos deixam outra escolha senão responder às suas acusações ridículas com as nossas próprias acusações racionais. Vocês escolheram isso, não nós.

Vocês nos acusam de ódio antissemita. Acusamos você de ser o melhor amigo do antissemita ao equiparar o direito de Israel de cometer crimes de guerra com o direito dos judeus israelenses de se defenderem.

Vocês nos acusa de apoiar o terrorismo. Acusamos vocês de equiparar a resistência legítima a um Estado de apartheid com atrocidades contra civis que sempre condenei e sempre condenarei, quem quer que as cometa – palestinos, colonos judeus, a minha própria família, quem quer que seja. Acusamos vocês de não reconhecerem o dever do povo de Gaza de derrubar o muro da prisão aberta onde estiveram encerrados durante oitenta anos – e de equiparar esse ato de derrubar o muro da vergonha, tão indefensável quanto o Muro de Berlim foi, com atos de terror.

Vocês nos acusam de banalizar o terror do Hamas em 7 de Outubro. Nós acusamos vocês de banalizar os oitenta anos de limpeza étnica dos palestinos por Israel e a construção de um férreo sistema de apartheid em Israel-Palestina. Acusamos vocês de banalizar o apoio de longo prazo de Benjamin Netanyahu ao Hamas como um meio de destruir a solução de dois Estados, que afirma favorecer. Acusamos vocês de banalizar o terror sem precedentes, desencadeado pelo exército israelita sobre o povo de Gaza, na Cisjordânia. e Jerusalém Oriental.

Vocês acusam os organizadores do congresso de hoje de, e passo a citar, estarem “não  interessados ??em falar sobre possibilidades de coexistência pacífica no Oriente Médio, no contexto da guerra em Gaza”. Vocês estão falando sério? Vocês perderam a cabeça?

Acusamos vocês de apoiar um Estado alemão que é, depois dos Estados Unidos, o maior fornecedor de armas que o governo Netanyahu utiliza para massacrar palestinos como parte de um grande plano para chegar a uma solução de dois Estados e à coexistência pacífica entre judeus e Palestinos, impossível. Acusamos vocês de nunca responder à pergunta pertinente que todo alemão deve responder: quanto sangue palestino deve fluir antes que sua culpa justificada pelo Holocausto seja lavada?

Portanto, sejamos claros: estamos aqui em Berlim com o nosso congresso palestino, pois, ao contrário do sistema político e dos meios de comunicação social alemães, condenamos o genocídio e os crimes de guerra, independentemente de quem os comete. Porque nos opomos ao apartheid na terra de Israel-Palestina, não importa quem esteja em vantagem – tal como nos opusemos ao apartheid no Sul dos Estados Unidos ou na África do Sul.

Condeno as atrocidades do Hamas?

Condeno cada atrocidade, seja quem for o autor ou a vítima. O que não condeno é a resistência armada a um sistema de apartheid concebido como parte de um programa de limpeza étnica lento mas inexorável. Dito de outra forma, condeno todos os ataques a civis e, ao mesmo tempo, celebro qualquer pessoa que arrisque a sua vida para derrubar o muro.

Israel não estaria envolvido numa guerra pela sua própria existência?

Não, não está. Israel é um Estado com armas nucleares, talvez com o exército tecnologicamente mais avançado do mundo e com a panóplia da máquina militar dos Estados Unidos nas suas costas. Não há simetria com o Hamas, um grupo que pode causar sérios danos aos israelenses, mas não tem qualquer capacidade para derrotar o exército de Israel – ou mesmo  impedir que Israel continue a implementar o lento genocídio dos palestinos, sob o sistema de apartheid, que foi erguido com apoio de longa data dos Estados Unidos e da União Europeia.

Não estarão os israelenses autorizados por temer que o Hamas os queira exterminar?

Claro que eles são! Os judeus sofreram um Holocausto que foi precedido por pogroms e um antissemitismo profundamente enraizado, que permeou a Europa e as Américas durante séculos. É natural que os israelenses vivam com medo de um novo pogrom, se o exército israelita desistir. No entanto, ao impor o apartheid aos seus vizinhos e ao tratar eles como subumanos, o Estado israelense está a alimentar o fogo do antissemitismo – e a fortalecer a parcela de palestinos e israelenses que apenas querem aniquilar uns aos outros. No final, as suas ações contribuem para a terrível insegurança que consome os judeus em Israel e na diáspora. O apartheid contra os palestinos é a pior autodefesa dos israelenses.

E quanto ao antissemitismo?

É sempre um perigo claro e presente. E deve ser erradicado, especialmente entre as fileiras da esquerda global e dos palestinos que lutam pelas liberdades civis palestinas em todo o mundo.

Por que os palestinos não perseguem os seus objetivos por meios pacíficos?

Eles já fizeram isso. A Organização para a Libertação da Palestina (OLP) reconheceu Israel e renunciou à luta armada. E o que eles ganharam com isso? Humilhação absoluta e limpeza étnica sistemática. Foi isso que alimentou o Hamas e o elevou aos olhos de muitos palestinos como a única alternativa a um genocídio lento sob o apartheid de Israel.

O que deve ser feito agora? O que poderá trazer a paz a Israel-Palestina?

Um cessar-fogo imediato.

A libertação de todos os reféns – do Hamas e dos milhares de detidos por Israel.

Um processo de paz, sob a alçada da ONU, apoiado por um compromisso da comunidade internacional para acabar com o apartheid e salvaguardar a igualdade de liberdades civis para todos.

Quanto ao que deve substituir o apartheid, cabe aos israelitas e aos palestinos decidir entre a solução de dois Estados e a solução de um único Estado federal secular.

Amigos, estamos aqui porque a vingança é uma forma preguiçosa de luto.

Estamos aqui para promover não a vingança, mas a paz e a coexistência entre Israel e a Palestina.

Estamos aqui para dizer aos democratas alemães, incluindo aos nossos antigos camaradas do Die Linke, que eles já se cobriram de vergonha durante tempo suficiente – que dois erros não fazem um acerto – e que permitir que Israel escape impune de crimes de guerra não vai melhorar a situação. O legado dos crimes da Alemanha contra o povo judeu.

Para além do congresso de hoje, temos o dever na Alemanha de mudar a conversa. Temos o dever de persuadir a grande maioria dos alemães decentes sobre a importância de direitos humanos universais. Que “nunca mais” significa “nunca mais” para todos. Judeus, palestinos, ucranianos, russos, iemenitas, sudaneses, ruandeses – para todos, em todos os lugares.

Neste contexto, tenho o prazer de anunciar que o partido político alemão do DiEM25, MERA25, estará no boletim de voto nas eleições para o Parlamento Europeu, no próximo mês de junho – procurando o voto dos humanistas alemães que anseiam por um membro do Parlamento Europeu que represente a Alemanha e apelando à cumplicidade no genocídio, uma cumplicidade que é o maior presente da Europa aos antissemitas na Europa e fora dela.

Saúdo todos vocês e sugiro que nunca esqueçamos que nenhum de nós é livre se um de nós estiver acorrentado.

YANIS VAROUFAKIS

foi ministro das Finanças da Grécia durante os primeiros meses do governo liderado pelo Syriza em 2015. É autor dos livros "Minotauro Global", "E os fracos sofrem o que devem?" e "Adultos na sala", todos publicados pela editora Autonomia Literária

Artigo publicado originalmente em 
https://jacobin.com.br/2024/04/fui-banido-da-alemanha-por-defender-a-causa-palestina/

Compartilhe:

 

FOTOS DOS ÚLTIMOS EVENTOS

  • mariofoto1_MSF20240207-145Lavagem Funceb. 08.02.24. Alb 2. Foto: Mário Sérgio
  • mariofoto1_MSF20240207-028Lavagem Funceb. 08.02.24. Alb 1. Foto: Mário Sérgio
  • mariofoto1_MSF20240203-084Fuzuê Alb 1. 03.02.2024. Fotos: Mário Sérgio
  • mariofoto1_MSF20240203-113Fuzuê Alb 2. 03.02.2024. Fotos: Mário Sérgio
  • mariofoto1_MSF20240203-275Fuzuê Alb 3. 03.02.2024. Fotos: Mário Sérgio
  • mariofoto1_MSF20240203-345Fuzuê Alb 4. 03.02.2024. Fotos: Mário Sérgio
  • mariofoto1_MSF20240112-0848Beleza Negra do ilê. Alb 1. 13.01.24 By Mario Sérgio
  • mariofoto1_MSF20240112-1035Beleza Negra do ilê. Alb 2. 13.01.24. By Mário Sérgio
  • mariofoto1_MSF20240112-1309Beleza Negra do Ilê. Alb 3. 13.01.24 By Mário Sérgio
  • mariofoto1_MSF20240112-1480Beleza Negra do Ilê. Alb 4. 13.01.24 By Mário Sérgio

Parabéns Aniversariantes do Dia

loader
publicidade

ENSAIOS FOTOGRÁFICOS

GALERIAS DE ARTE

Mais galerias de arte...

HUMOR

Mais charges...

ENQUETE 1

Qual é o melhor dia para sair a noite?