Salvador, 04 de August de 2020
Acesse aqui:                
facebookorkuttwitteremail
Erro
  • Your server has Suhosin loaded. Please follow this tutorial.
Modelo do Carnaval soteropolitano está esgotado por Paulo Miugez
Ajustar fonte Aumentar Smaller Font
Cultura
Sáb, 21 de Maio de 2011 12:16
paulo-miguez.jpgA crise do carnaval de Salvador é assunto que envolve especialistas, carnavalescos e foliões. Está nas páginas dos jornais e nos bate-papos em mesas de bares. A crise do carnaval de Salvador é assunto que envolve especialistas, carnavalescos e foliões. Está nas páginas dos jornais e nos bate-papos em mesas de bares. O Bahia na Rede entrevistou um dos maiores especialistas baianos no tema Carnaval: Paulo Miguez, professor do Instituto de Humanidades, Artes e Ciências da UFBA (IHAC/UFBA) e Coordenador do Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade da UFBA (POSCULT/UFBA), que apresenta, a seguir, idéias e questões incontornáveis para fazer avançar o debate sobre a maior festa de rua do planeta.

Bahia na Rede: Muitos vêem um ressurgimento poderoso do carnaval de rua do Rio de Janeiro. O carnaval de Recife é dito de alta diversidade. Outros acreditam que há um esgotamento no carnaval de Salvador. Você concorda com esta visão? Qual a análise que faz do momento atual do carnaval de Salvador?

Paulo Miguez: Invenção, inovação, renovação são marcas da festa carnavalesca. Do carnaval baiano e, também, dos outros carnavais. Entre nós, por exemplo, os movimentos e momentos de renovação não são poucos nem de pequena importância. É o caso de lembrar, por exemplo, o surgimento do Trio Elétrico, em 1950, que desmonta a hierarquia sócio-espacial dos festejos e funda nosso carnaval moderno; ou a emergência dos Blocos Afro e o ressurgimento dos Afoxés, na metade dos anos 1970, que promove uma radical reorganização sócio-política e estético-artística do carnaval baiano, inclusive com implicações profundas no tecido cultural da cidade, portanto, para além do carnaval propriamente dito. O que vem acontecendo com o carnaval carioca nos últimos anos deve ser compreendido nesta mesma perspectiva: renovação. O surgimento de centenas de blocos de rua no Rio de Janeiro é uma resposta renovadora ao aprisionamento do carnaval carioca, nas últimas décadas, ao exclusivismo da espetacularização midiático-turística das escolas de samba. Belo, com certeza, mas apenas um espetáculo, e que, por ser espetáculo, não consegue dar conta do espontâneo, do inusitado, do extraordinário que caracterizam o "barato" carnavalesco.

Em Recife, a novidade da renovação parece ser no plano da intervenção governamental na organização dos festejos. O modelo desenvolvido pela prefeitura recifense, nos últimos anos, apostou na valorização da diversidade de manifestações do carnaval, o que resultou no revigoramento da festa - com efeitos positivos inclusive do ponto de vista dos interesses da economia do turismo.

Quanto ao carnaval de Salvador, podemos, sim, dizer que há um esgotamento. Esgotamento, entenda-se, do seu modelo de organização. Modelo ancorado, exclusivamente, na lógica do negócio, de um negócio que se caracteriza pelo caráter concentrador e excludente. É claro que o carnaval é um momento privilegiado para negócios. E nada contra, em princípio - até porque não consigo imaginar que uma festa com o tamanho do carnaval baiano, e o mesmo vale para os carnavais carioca e pernambucano, conseguisse escapar da lógica mercantil.

O problema é que temos um mercado absolutamente não-regulado, capturado pelos grandes grupos da indústria do lazer, o que, do ponto de vista econômico, inviabiliza a sustentabilidade dos pequenos negócios oportunizados pela festa. Problema do ponto de vista econômico, problema maior ainda no que diz respeito à dimensão cultural que é a essência do carnaval, pois, por definição, um fenômeno cultural capturado exclusivamente pelas práticas e dinâmicas de mercado vê sua diversidade de manifestações empobrecida.

Bahia na Rede: Foram divulgadas pesquisas no período carnavalesco de 2011 dando conta de alto percentual de soteropolitanos que não participa do Carnaval. Foi sempre assim ou esse dado reflete tendência contemporânea?

Paulo Miguez: Não temos como comparar períodos, pois jamais tivemos pesquisas que se ocupassem em levantar estes números. Desgraçadamente, a produção de estatísticas e indicadores do carnaval é bastante recente - um importantíssimo trabalho iniciado pela gestão anterior da Secretaria de Cultura do Estado, através da SEI, e que está tendo continuidade na atual gestão.

O susto com os números publicados recentemente se deve ao fato de até agora termos operado com números fantasiosos do tipo "2 milhões de pessoas nas ruas", "1 milhão de turistas no carnaval", números que atendiam à perspectiva do marketing turístico, interessado em vender o carnaval baiano como sendo o maior do mundo, etc. etc. Mas a rigor, concordemos, aproximadamente 600 mil residentes, entre foliões e trabalhadores, e mais os turistas, totalizam um volume expressivo de pessoas envolvidas com a festa e faz do carnaval baiano, efetivamente, uma das maiores festas de rua do mundo.

Bahia na Rede: Os blocos afros, afoxés e outras entidades carnavalescas lançaram recentemente um manifesto propondo um novo modelo para o Carnaval de Salvador, tendo como eixo principal o chamado "direito de arena", ou seja, eles querem ganhar parte dos lucros obtidos pelos proprietários dos camarotes e emissoras de televisão. Como você analisa esta pretensão?

Paulo Miguez: Não conheço o manifesto. Mas, do ponto de vista da economia da festa, considero uma pretensão legítima. É mais um empreendimento a engordar a carteira de negócios carnavalescos, tão legítimo quanto qualquer dos empreendimentos que ano após ano o mercado da festa costuma produzir. Volto a dizer que não li o manifesto. Mas, se é a reivindicação do "direito de arena" o eixo que organiza o documento não posso deixar de dizer que, ainda que a demanda seja legítima, a perspectiva, para um manifesto que reclama uma reorganização da festa, é equivocada.

A reorganização do carnaval não pode passar exclusivamente pela idéia de um modelo centrado no(s) negócio(s), não pode imaginar que os desafios do carnaval serão resolvidos apenas com a ampliação da carteira de negócios e do número de negociantes. Se assim for, prevalecerão os interesses dos grandes grupos que, com a força já acumulada, se mobilizarão para derrotar a reivindicação do "direito de arena" ou, no limite, saberão incorporá-la nas suas planilhas de custos, estas, certamente, ainda com bastante folga face aos lucros produzidos por seus múltiplos negócios.

Um manifesto pela reorganização do carnaval deve, claro, estar atento, também, à renovação do modelo de negócio da festa. Mas deve, fundamental e principalmente, cuidar da dimensão cultural da festa, reivindicando as políticas públicas indispensáveis para garantir a diversidade cultural do carnaval.

Bahia na Rede: Você acredita que o Conselho do Carnaval é um organismo dotado das condições adequadas para gerir essa gigantesca festa popular? Qual seria o modelo de gestão mais adequada para a festa?

Paulo Miguez: Não. Absolutamente, não. O atual Conselho do Carnaval, hegemonizado pelos grandes grupos empresariais que controlam o mercado da festa, não passa de uma câmara organizadora dos interesses corporativo-mercantis que atuam no carnaval. Atua única e exclusivamente em favor destes grupos. Não tem qualquer preocupação com a dimensão cultural da festa, com a diversidade de manifestações que constrói a riqueza do carnaval. Qual a contribuição do Conselho, por exemplo, para o resgate e preservação da memória carnavalesca? Que projetos patrocinou na perspectiva da valorização da diversidade cultural dos festejos? Qual o diálogo que tem estabelecido com a cidade sobre os desafios contemporâneos do carnaval - neste particular, ao contrário, a atitude do Conselho é a de recusa pura e simples de participar de eventos dedicados à festa, como foi o caso dos Seminários sobre o carnaval organizados pelo Conselho Estadual de Cultura em 2009.

Pior ainda é sabermos que o Conselho age desta forma com o beneplácito ou omissão dos órgãos públicos municipais e estaduais que dele participam. No Conselho, Prefeitura e Governo Estadual assistem, calados, ao assalto ao patrimônio cultural baiano patrocinado pelo Conselho. Fazem de conta de que o carnaval é assunto privado e que interessa apenas aos que têm negócios na festa - e grandes negócios, diga-se de passagem. Faz sentido, por exemplo, que nem a Fundação Gregório de Mattos nem a Secretaria Estadual de Cultura participem do Conselho, enquanto instituições que já nada representam, a exemplo da Associação dos Cronistas Carnavalescos e da Federação dos Clubes Sociais da Bahia nele continuem tendo direito a voz e voto?

Não tenho dúvidas que a existência de um Conselho do Carnaval é fundamental a uma governança democrática e transparente do carnaval. Mas, com certeza absoluta, não é o Conselho, no seu formato atual e com suas práticas obscuras, que pode cumprir o papel de ator central da organização do carnaval baiano.

Bahia na Rede: Quais outras medidas considera necessárias para o fortalecimento do Carnaval do ponto de vista da afirmação dos seus aspectos culturais e populares?

Paulo Miguez: Creio que a renovação do carnaval baiano envolve, resumidamente, três importantes aspectos. A regulação do mercado da festa, na perspectiva da sua desconcentração; a governança da festa, no sentido da incorporação democrática e transparente dos variados atores carnavalescos no processo de planejamento dos festejos; e, muito especialmente, a formulação e implementação de políticas públicas que compreendam o carnaval como um dos mais importantes patrimônios culturais da nossa gente.

De todo modo, qualquer destes aspectos tem como imperativo incontornável o papel ativo e responsável do Estado. Quando digo Estado, estou me referindo particularmente à Prefeitura de Salvador, responsável maior, por razões óbvias, pela festa, mas que tem circunscrito seu papel ao de mero provedor dos serviços e infra-estrutura necessários à realização do carnaval e à disputa por patrocínios, eximindo-se completa e irresponsavelmente das suas obrigações constitucionais de proteção e promoção, através de políticas públicas de cultura, do patrimônio cultural da cidade.

Mas se a responsabilidade maior com o carnaval cabe à Administração Municipal, também cabem ao Governo Estadual responsabilidades com a festa. Parte destas responsabilidades tem sido atendida com competência pela Secretaria Estadual de Cultura, tanto na gestão Márcio Meirelles quanto, agora, com Albino Rubim. Programas como o Ouro Negro, por exemplo, posto em marcha pela Secult, são fundamentais ao desenvolvimento do carnaval pois deslocam a ação do plano do mercado para o da cultura, do patrimônio cultural. Mas a Secult têm tido pouco sucesso nas tentativas de articular os demais órgãos estaduais envolvidos com carnaval na perspectiva de uma ação mais decididamente voltada para a compreensão do carnaval como fato de cultura.

Bahia na Rede: Boa parte da sua vida acadêmica é dedicada ao estudo do Carnaval. Qual o foco das suas pesquisas atuais?

Paulo Miguez: Atualmente, tenho me dedicado a estudar os carnavais latino-americanos e caribenhos, tanto do ponto de vista da sua história e da dimensão simbólica que ocupam na cena cultural de cada país como quanto às políticas públicas a eles dedicadas, muito em especial no caso dos carnavais em que a presença de práticas de mercado em larga escala já estão estabelecidas, como é o caso do carnaval de Trinidad-Tobago. Neste sentido, pude desfrutar, recentemente, entre janeiro e março deste ano, de uma bolsa de estudos que me foi oferecida pela Biblioteca Latino-Americana da Universidade de Tulane, em New Orleans, onde pude levantar vasto material para estas pesquisas. Sabemos muito pouco, aqui no Brasil, sobre estes carnavais. São, entretanto, sem qualquer dúvida, uma das maiores riquezas culturais das Américas.

Artigo publicado originalmente em http://blogbahianarede.wordpress.com/2011/05/17/modelo-do-carnaval-soteropolitano-esta-esgotado/

Compartilhe:

 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

O MELHOR DO ALDEIA NAGÔ NO SEU EMAIL

CADASTRE-SE EM NOSSO NEWSLETTER:

FOTOS DOS ÚLTIMOS EVENTOS

  • 24.02.2020.426Desfile Ilê Aiyê. C Grande. Alb 4. 24 Fev 2020
  • 24.02.2020.354Desfile Ilê Aiyê. C Grande. Alb 3. 24 Fev 2020
  • 24.02.2020.199Desfile Ilê Aiyê. C Grande. Alb 2. 24 Fev 2020
  • 24.02.2020.097Desfile Ilê Aiyê. C Grande. Alb 1. 24 Fev 2020
  • 24.02.20.220Mudança, Magary, Motumbá. C. Grande. 24 Fev 2020
  • 24.02.20.072Didá & Respeita as Minas. Campo Grande. 24 Fev 2020

Parabéns Aniversariantes do Dia

loader
publicidade

ENSAIOS FOTOGRÁFICOS

GALERIAS DE ARTE

HUMOR

Mais charges...

ENQUETE 1

Qual é o melhor dia para sair a noite?