Salvador, 22 de September de 2021
Acesse aqui:                
facebookorkuttwitteremail
Erro
  • Your server has Suhosin loaded. Please follow this tutorial.
Para Boaventura, a luta é contrahegemônica, não altermundista Por Mario de Queiroz, da IPS
Ajustar fonte Aumentar Smaller Font
Cultura
Ter, 22 de Janeiro de 2008 10:28
A mobilização contra o capitalismo, a injustiça e a opressão exige convergências intensas a partir de diferenças plenamente assumidas, disse à IPS o sociólogo Boaventura de Sousa Santos, que prevê sérias dificuldades futuras para as reuniões do Fórum Social Mundial (FSM). Devido "ao aumento do militarismo e da paranóia com a segurança", prevejo "que no futuro muitos ativistas serão impedidos de viajar, tendo rejeitado o visto de entrada em outros países, porque está em marcha uma nova forma de criminalização do protesto social", afirmou em entrevista à IPS.  Santos é catedrático da Universidade de Coimbra, doutor em sociologia do direito em Yale (EUA) e também professor na universidade de Wisconsin-Madison (EUA), entre outros cargos que ocupa. Em sua vasta atuação pública defendeu com veemência que os movimentos sociais e cívicos fortes são essenciais na democracia participativa. E nesse aspecto se destacou como um ativo participante do FSM, inaugurado em 2001 por movimentos sociais e outras expressões da sociedade civil contrárias ao atual rumo da globalização.
 
 
 IPS - O senhor acredita que foi boa a idéia de não se fazer um encontro do FSM este ano, mas apenas atos locais em todo o mundo, com risco de dispersão, perda de identidade e desmobilização no próximo ano?
 Boaventura de Sousa Santos -
Toda mobilização política deve caminhar no ritmo de seus ativistas e dirigentes. No caso do FSM, o que verdadeiramente conta hoje é o ritmo das organizações e dos movimentos que integram o Conselho Internacional [CI]. Há anos que algumas organizações diziam que as energias investidas em sua preparação as impediam de realizar de uma maneira adequada suas agendas especificas de ação e que seria preferível celebrá-lo como encontro mundial a cada dois anos. Essa opção é a que agora obteve o consenso do CI.
 
 Vejo esta fórmula como mais uma prova do experimentalismo do que é capaz o Fórum e por isso não a vejo como uma idéia má. Nos permitirá identificar e avaliar outra dimensão do FSM até agora pouco praticada: sua real capacidade de articulação entre iniciativas muito diferentes e dispersas. Vejo, sobretudo, uma oportunidade para novos tipos de agregação e reinvenção da identidade.
 
 O importante é ter em mente que o FSM acontecerá este ano, mas uma maneira nova. Extremamente descentralizada. Seria satisfatório para mim se da avaliação do Dia de Ação Global resultasse a decisão de começar a realizá-lo todos os anos. Mas, prevejo que surgirão novos desafios no curto prazo e que o Fórum, embora mantendo sua filosofia de base, possa passar por transformações mais profundas.
 
 IPS - Por exemplo?
 Boaventura -
Articular-se com outras iniciativas transnacionais e aprender com elas. Penso no grande movimento de educação popular e na "Outra Campanha" dos neozapatistas mexicanos, tanto uma como a outra com enormes virtudes e, no caso especifico da segunda, uma forma nova de criar a contrahegemonia, uma nova cultura política e uma nova política de alianças.
 
 IPS - O CI se divide entre manter-se apenas como fórum aberto e assumir formalmente posições políticas como o FSM, baseadas em consenso. Alguns dos que defendem este último vêem uma certa paralisia e falta de perspectivas, sem a tomada de posições...
 Boaventura -
Todas as iniciativas políticas novas enfrentam duas dificuldades específicas: a linguagem que usam pertence mais ao passado do que ao futuro, inclusive quando parece o contrário, e seus integrantes estão divididos entre a experiência passada e a vontade de inovar. A novidade do FSM consistem em associar uma forma de organização com a meta de criar uma cultura política nova. Por essa razão, defino o FSM como uma forma de globalização contrahegemônica e não como altermundista. É uma luta tanto cultural quanto política, onde o cultural tem um processo de maturação muito mais lento do que a política.
 
 As lógicas destas duas lutas às vezes se chocam. A idéia do FSM-espaço aponta mais para a dimensão cultural e a do FSM-movimento mais para a dimensão política. Porém, a polarização das duas idéias é uma herança do passado do pensamento da esquerda, já que não permite ver que o espaço aberto é em si mesmo um movimento e um espaço em movimento.
 
 Por outro lado, as duas partes têm concepções eurocêntricas sobre processos de decisão: a idéia d que para assumir ações políticas concretas é necessário decidir e isso nunca será possível por consenso. Já os povos indígenas decidem por consenso e nessa base estão organizando movimentos portentosos na América Latina. Mas, é possível imaginar o mesmo em movimentos e organizações criadas no caldo da cultura ocidental embora pertençam ao sul global?
 
 Defendo que sejam tomadas posições de ação política sempre que for por consenso, em áreas onde se preveja baixos graus de conflito. O FSM está criando condições para ações globais de confronto político, mas não me parece que deva ser este as assumir, porque será preciso assentar-se em fortes raízes locais e nacionais e o Fórum não as garante.
 
 IPS- Não há um problema de representatividade e inclusive de democracia interna no FSM, pois movimentos sociais que compreendem milhões de ativistas em muitos países têm a mesma voz que organizações não-governamentais locais de poucos membros?
 Boaventura -
O FSM não é um parlamento ou um partido. Nossas concepções de representatividade e democracia foram criadas tendo em conta as organizações. Os debates que forem feitos com este propósito serão muito úteis porque dessa forma estaremos pensando em novas formas de organização e de legitimidade políticas.
 
 Por exemplo, como seria um parlamento mundial ou um partido global? A função histórica do FSM é abrir e não fechar esse debate. O problema do FSM é não ser mundial, nem em termos de participantes nem de temas, nem de orientações políticas. Mas, a combinação futura entre FSM-encontro e Dia de Ação Global pode ser uma solução promissora.
 
 IPS - O dramatismo que a mudança climática adquiriu não obriga o FSM a modificar suas prioridades, seus temas centrais?
 Boaventura -
Sem dúvida. O importante é que o tema não esteja no FSM à la Al Gore, ou seja, como um problema que não tem a ver com o capitalismo global, com os movimentos indígenas e camponeses, com a questão da terra e da água, com a discriminação contra as mulheres. Os debates sobre a mudança climática são a nova fronteira da construção da contrahegemonia, uma forma de mostrar à cidadania comum que a sociedade, tal como a conhecemos, não sobreviveria.
 
 IPS - A repercussão do FSM depois do impacto da novidade dos primeiros encontros parece ter diminuído. O que falta para conseguir maior incidência na política, na vida das pessoas e das sociedades?
 Boaventura -
O FSM teve um forte efeito-surpresa que lhe garantiu popularidade, mesmo diante de seus adversários. Daí a curiosidade inicial dos grandes meios de comunicação. O problema é que o efeito-surpresa não se reproduz. Uma vez esgotado, o impacto é de longa duração e isso não interessa à mídia, e também é potencialmente perigoso e deve ser silenciado.
 
 Mas, não se deve deixar desmoralizar pelos meios de comunicação nem cometer o erro de pensar que esse silêncio é um indicador de perda de importância. Pelo contrário, é a importância potencial do Fórum que provoca o silêncio.
 
 IPS - As pesquisas sobre o perfil dos participantes mostram um FSM composto por uma elite intelectual, com uma maioria universitária e de classe media. Isso não contradiz os ideais de inclusão social e de mudar o mundo?
 Boaventura -
A transformação progressista raramente nasceu de ações protagonizadas apenas pelos excluídos. As grandes lutas foram sempre resultado de alianças entre grupos mais oprimidos e menos oprimidos e os que, não sendo diretamente oprimidos, se solidarizaram com a sorte daqueles, ao julgar injusto que seu bem-estar se baseia no mal-estar dos oprimidos.
 O intelectual é um facilitador na articulação de experiências e ações nas diferentes escalas, locais, nacionais, regionais e globais, que combinam distintas agendas transformadoras, como a indígena, das mulheres, dos camponeses, dos direitos humanos e da ecologia.

Compartilhe:

 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

FOTOS DOS ÚLTIMOS EVENTOS

  • 24.02.2020.459Desfile Ilê Aiyê. C Grande. Alb 4. 24 Fev 2020
  • 24.02.2020.303Desfile Ilê Aiyê. C Grande. Alb 3. 24 Fev 2020
  • 24.02.2020.181Desfile Ilê Aiyê. C Grande. Alb 2. 24 Fev 2020
  • 24.02.2020.047Desfile Ilê Aiyê. C Grande. Alb 1. 24 Fev 2020
  • 24.02.20.171Mudança, Magary, Motumbá. C. Grande. 24 Fev 2020
  • 24.02.20.089Didá & Respeita as Minas. Campo Grande. 24 Fev 2020

Parabéns Aniversariantes do Dia

loader
publicidade

ENSAIOS FOTOGRÁFICOS

GALERIAS DE ARTE

HUMOR

  • A Justiça brasileira_1
  • Categoria: Humor
Mais charges...

ENQUETE 1

Qual é o melhor dia para sair a noite?