Salvador, 28 de March de 2020
Acesse aqui:                
facebookorkuttwitteremail
Erro
  • Your server has Suhosin loaded. Please follow this tutorial.
A menina foi tomada pelo monstro da feiura por Raiça Bomfim *
Ajustar fonte Aumentar Smaller Font
Ter, 14 de Maio de 2013 02:09

Raia_Bomfim_3Quando ainda criança, Menina foi tomada pelo monstro da feiura. Saltitava alegremente pela rua, quando, em sua direção, lançaram um olhar de desprezo e o monstro a encontrou. Passou a ver-se no espelho somente às escondidas, poupando as pessoas do horror de seu reflexo. Mas nunca perdeu a esperança de que, sob aquela imagem, houvesse uma linda moça ansiando que a libertassem da dura fealdade .

 

Um dia, cansada de esconder-se, Menina foi surpreendida por uma enorme boca aberta que lhe disse: a beleza é um modo de ver, mulher; encontre os olhos que te enxergam e estarás livre. Menina ouviu atenta e traçou no espaço uma linha trêmula pela qual partiu para a longa busca.

Perdeu-se em incontáveis encruzilhadas, e seguiu firmemente arriscando uma estrada ou outra, seguindo o rastro dos olhos daquele auspício. Ao fim de cada estrada, chegava a vislumbrá-los, mas logo os perdia de vista outra vez.

Encontrou coisas incríveis no caminho, e essas coisas foram, aos poucos, acendendo diversas formas dentro de si. Finalmente começava a achar-se bela, quando reparou num pequenino espelho esquecido num canto, e quis mirar-se nele. Reconheceu seu rosto, mas os olhos não eram os mesmos: eram os olhos vivos e enormes de sua tenra infância. Olhou mais fundo, assombrada, até que a pepita negra que brilhava naquelas órbitas saltou em sua direção e rachou o vidro por dentro. A imagem de Menina ficou espalhada pelo o espaço, em infinitos pedaços, já não podia ver-se por inteira num só reflexo e saber se estava bonita ou feia. E seus contornos se dissolveram junto com a imagem: não sabia mais onde começava, onde terminava; tinha perdido as fronteiras.

Aturdida, Menina procurou um horizonte e viu-se espelhada por todo lado, até a linha onde o sol nascia. Era lindíssimo aquele dia e, dentro dele, ela via-se refletida. Soube então que estava livre. E era tão rica de formas sua liberdade, que até a feiura despiu-se de seus monstros e partiu alegremente pela vastidão de Menina.

. Saltitava alegremente pela rua, quando, em sua direção, lançaram um olhar de desprezo e o monstro a encontrou. Passou a ver-se no espelho somente às escondidas, poupando as pessoas do horror de seu reflexo. Mas nunca perdeu a esperança de que, sob aquela imagem, houvesse uma linda moça ansiando que a libertassem da dura fealdade .

Um dia, cansada de esconder-se, Menina foi surpreendida por uma enorme boca aberta que lhe disse: a beleza é um modo de ver, mulher; encontre os olhos que te enxergam e estarás livre. Menina ouviu atenta e traçou no espaço uma linha trêmula pela qual partiu para a longa busca.

Perdeu-se em incontáveis encruzilhadas, e seguiu firmemente arriscando uma estrada ou outra, seguindo o rastro dos olhos daquele auspício. Ao fim de cada estrada, chegava a vislumbrá-los, mas logo os perdia de vista outra vez.

Encontrou coisas incríveis no caminho, e essas coisas foram, aos poucos, acendendo diversas formas dentro de si. Finalmente começava a achar-se bela, quando reparou num pequenino espelho esquecido num canto, e quis mirar-se nele. Reconheceu seu rosto, mas os olhos não eram os mesmos: eram os olhos vivos e enormes de sua tenra infância. Olhou mais fundo, assombrada, até que a pepita negra que brilhava naquelas órbitas saltou em sua direção e rachou o vidro por dentro. A imagem de Menina ficou espalhada pelo o espaço, em infinitos pedaços, já não podia ver-se por inteira num só reflexo e saber se estava bonita ou feia. E seus contornos se dissolveram junto com a imagem: não sabia mais onde começava, onde terminava; tinha perdido as fronteiras.

Aturdida, Menina procurou um horizonte e viu-se espelhada por todo lado, até a linha onde o sol nascia. Era lindíssimo aquele dia e, dentro dele, ela via-se refletida. Soube então que estava livre. E era tão rica de formas sua liberdade, que até a feiura despiu-se de seus monstros e partiu alegremente pela vastidão de Menina.

* Ariz, poeta e escritora

Compartilhe:

Última atualização em Ter, 14 de Maio de 2013 11:27
 

O MELHOR DO ALDEIA NAGÔ NO SEU EMAIL

CADASTRE-SE EM NOSSO NEWSLETTER:

FOTOS DOS ÚLTIMOS EVENTOS

  • 24.02.2020.434Desfile Ilê Aiyê. C Grande. Alb 4. 24 Fev 2020
  • 24.02.2020.317Desfile Ilê Aiyê. C Grande. Alb 3. 24 Fev 2020
  • 24.02.2020.151Desfile Ilê Aiyê. C Grande. Alb 2. 24 Fev 2020
  • 24.02.2020.048Desfile Ilê Aiyê. C Grande. Alb 1. 24 Fev 2020
  • 24.02.20.249Mudança, Magary, Motumbá. C. Grande. 24 Fev 2020
  • 24.02.20.042Didá & Respeita as Minas. Campo Grande. 24 Fev 2020

Parabéns Aniversariantes do Dia

loader
publicidade

GALERIAS DE ARTE

HUMOR

  • Abertura das Olimpiadas_1
  • Categoria: Humor
Mais charges...

ENQUETE 1

Qual é o melhor dia para sair a noite?