Salvador, 13 de December de 2018
Acesse aqui:                
facebookorkuttwitteremail
O jornalismo é a vítima não contabilizada em Gaza e na Venezuela. Por Alon Feuerwerker
Ajustar fonte Aumentar Smaller Font
Dando o que Falar
Ter, 05 de Junho de 2018 04:09

Alon1A certeza é inimiga do bom jornalismo. Os motores que produzem as melhores obras jornalísticas são a dúvida, a inquietação, o ceticismo, a curiosidade. A indignação é inimiga do bom jornalismo, porque turva a visão.

A grande reportagem sobre o julgamento de Eichmann em Jerusalém não foi para denunciar os crimes dos nazistas, foi para descrever o que a repórter Hannah Arendt entendeu ser a banalidade do mal. O melhor livro já escrito sobre um crime é A Sangue Frio, de Truman Capote. O bom jornalismo é brechtiano. Tem de ter distanciamento.

Vou escrever aqui sobre o jornalismo dos outros. É raro, porque tem poucas coisas mais desagradáveis que velho jornalista, ou jornalista velho, praticando engenharia de obra feita.

O jornalismo é o exercício diário da imperfeição, e o jornalista que não quiser se chatear não deve reler seus textos, ou rever seus vídeos, ou reouvir seus áudios. Sempre daria para ter feito melhor o que você fez ontem, ou uma hora atrás, ou um minuto atrás. Hoje em dia, pelo menos, você pode corrigir coisas na internet. Melhor do que quando o erro ficava como uma cicatriz, para sempre.

Mas tudo tem limite, inclusive a paciência, e já chega de nariz de cera, não é? Então vamos ao que interessa.

As empresas jornalísticas têm defendido uma tese. Informações pouco ou nada confiáveis abundam na internet, particularmente nas redes sociais. Estamos ameaçados por uma epidemia de fake news. E a melhor vacina é refugiarmo-nos nas notícias, interpretações e comentários fornecidos pelo assim chamado jornalismo profissional, ilha de verdades cercada por um oceano infestado de fontes traiçoeiras, que querem a todo custo enganar as pessoas.

Será? Vamos começar pela Venezuela. Ali teve uma eleição presidencial, a maioria da oposição boicotou, e Nicolás Maduro elegeu-se com 68% dos votos válidos, num comparecimento de 46%, o que dá uns 31% do eleitorado. O número é consistente com o apoio que o chavismo ainda recolhe, mesmo na grave crise econômica. A aritmética não autoriza, portanto, falar em fraudes com impacto decisivo no resultado. Maduro ganhou não por causa de fraudes, teve uma vitória fácil porque as principais correntes e personalidades da oposição ficaram fora da disputa.

Você viu por acaso alguém fazer essa conta simples e questionar as autoridades e políticos, das várias cores, que denunciaram as eleições venezuelanas como ilegítimas? Você viu essa conta e esse raciocínio simples merecerem destaque, nem que fosse para ter algum contraditório, nos noticiários de grande alcance? “A oposição denuncia fraudes, mas não oferece comprovações, e o total dos votos dados a Maduro é compatível com o apoio ao governo dele registrado nas pesquisas.” Simples e objetivo. Mas não se disse.

Ah, mas esse é um viés favorável ao Maduro. O equilibrismo a título de isenção virou pretexto para amputar da realidade descrita os fatos que não se encaixam na narrativa, na “nossa posição”, como se diz.

Alguém decidiu que a Venezuela é uma ditadura, então as eleições ali são ilegítimas, e com certeza foram fraudadas. Dispensa comprovação. Ah, tem também o argumento de que lá os principais líderes da oposição estão presos e/ou impedidos pela Justiça de concorrer. Bem, parece que há outro país nas redondezas em situação parecida.

Se a eleição na Venezuela é ilegítima também porque os líderes da oposição não puderam concorrer, o PT tem razão quando diz que a eleição aqui sem o Lula é fraude? Você vai concordar que é uma pergunta razoável de se fazer. Você viu alguém do jornalismo dito profissional fazê-la? Nem que fosse para o interlocutor responder que no Brasil a Justiça é independente, e na Venezuela ela é controlada pelo governo? Essa resposta seria boa, mas perigosa, pois aqui como lá só quem está impedido de concorrer é gente da oposição com chance real de ganhar.

Ah, mas isso daria um viés favorável ao PT. Então a saída é cortar fora também essa parte da realidade. E de pedaço em pedaço cortado fora, o que sobra para o consumidor de informação é o caroço, a seleção de fatos capazes de corroborar a “nossa linha” editorial.

Uma maneira de falsificar a realidade é dizer que acontece algo diferente do que está acontecendo. Outro jeito, bem mais esperto, é contar só uma parte da história. Como dizia aquela propaganda, é possível contar um monte de mentiras dizendo apenas a verdade.

Foi o que aconteceu em Gaza. O fato: num dia, cerca de 60 palestinos morreram vítimas de atiradores do exército de Israel. Uma versão: os israelenses atiraram indiscriminadamente em manifestantes pacíficos, num verdadeiro massacre. Outra versão: os atiradores neutralizaram combatentes do Hamas e de outros grupos armados que buscavam romper as barreiras fronteiriças para penetrar em território de Israel, com o objetivo de atingir bases militares e a população das comunidades perto da linha de armistício.

Mais de 1.000 palestinos ficaram feridos após serem alvejados por soldados israelenses

Na terça-feira sangrenta prevaleceu a primeira versão, que recebeu farta cobertura. Mas na quarta, um dirigente do Hamas informou orgulhosamente que 50 dos 60 mortos eram seus combatentes. A Jihad Islâmica reivindicou outros três.

Como assim? 90% dos mortos pertenciam a duas organizações armadas? Bem, isso reforçava a versão israelense. E contradizia a angulação da cobertura anterior. Num jornalismo, digamos, saudável, isso seria notícia. E desencadearia um esforço de apuração para tentar saber afinal onde estava a verdade.

Aconteceu o contrário. A notícia foi escondida, ou simplesmente ignorada. Quando publicada, vinha algumas vezes acompanhada de advertências sobre a dificuldade de checar a veracidade dela com fontes independentes. Uma preocupação ausente da cobertura do dia anterior.

Sabem de uma coisa? É até compreensível. Se tivesse sido publicada ou veiculada com destaque, certamente o veículo seria acusado de pender para o lado de Israel. Então, em nome da suposta isenção e do suposto equilíbrio, preferiu-se sonegar a informação ao distinto público.

Sem contar que alguns textos dos dias seguintes deram livre curso à versão de ter havido um massacre de civis que se manifestavam pacificamente. Nenhuma preocupação de pelo menos avisar da existência de informações contraditórias. Esforço de apuração para descobrir a verdade? Nenhum. Curiosidade e inquietação para saber o que de fato se passou? Nenhuma. Ceticismo diante da fonte? Zero.

Existe mais uma vítima não contabilizada na tragédia de Gaza e na crise da Venezuela: o jornalismo.

Oposição venezuelana, a União Europeia, Itamaraty e Grupo Lima rejeitam reeleição de Maduro

Artigo publicado originalmente em https://www.poder360.com.br/opiniao/midia/o-jornalismo-e-a-vitima-nao-contabilizada-em-gaza-e-na-venezuela/

Compartilhe:

 

O MELHOR DO ALDEIA NAGÔ NO SEU EMAIL

CADASTRE-SE EM NOSSO NEWSLETTER:

FOTOS DOS ÚLTIMOS EVENTOS

  • 10.12.18.37Ensaio Cortejo Afro p/Edgar Souza. 10 Dez 2018
  • 07.12.18.143Festa Angola 70. Casa de Angola. 07 Dez 2019
  • 03.12.18.021Ensaio Cortejo Afro p/Edgar Souza. 03 Dez 2018
  • 30.11.18.017Maracatu Ventos de Ouro e a Corda. 30 Nov 2018
  • 28.11.18.045Mostra Dança Formandos T30. Funceb. 28 Nov 2018
  • Edgar de Souza.030Ensaio Cortejo Afro p/Edgar Souza. 26 Nov 2018

Parabéns Aniversariantes do Dia

loader
publicidade

ENSAIOS FOTOGRÁFICOS

GALERIAS DE ARTE

HUMOR

  • Abertura das Olimpiadas_1
  • Categoria: Humor
Mais charges...

ENQUETE 1

Qual é o melhor dia para sair a noite?