Salvador, 22 de September de 2020
Acesse aqui:                
Banner
facebookorkuttwitteremail
Erro
  • Your server has Suhosin loaded. Please follow this tutorial.
Bolsonaro pode ser golpeado ou desobedecido porque ameaça a saúde pública. Por Mario Sergio Conti
Ajustar fonte Aumentar Smaller Font
Dando o que Falar
Dom, 22 de Março de 2020 03:03

Mario_Sergio_ContiEle não tem jeito. A ignorância vaidosa, o gosto pelo sórdido e o exibicionismo bufo estão entranhados de tal modo na personalidade que lhe impedem mudanças racionais. É impermeável ao diálogo franco, a estudar e aprender, porque se orgulha de sua mente miúda e alma perversa.

Bolsonaro não tem princípios. Largou o catolicismo e virou evangélico. Abandonou o nacionalismo corporativista e se tornou sabujo de Trump. Trocou de religião e política como quem troca de sapatos porque é oportunista. Ou melhor, o presidente tem um único princípio.

A saber: quer ficar no Planalto indefinidamente, cada vez com mais poder. Para tanto, dedica-se a jogar uns políticos contra os outros. A provocar cizânia e estupor. A cativar sua freguesia fanática.

Agora, a coisa mudou de figura. Há uma pandemia prestes a matar milhares de pessoas —nossos colegas, amigos, familiares. Ela acerta em cheio um Brasil frágil. A cada dia que passa, o medo aumenta. É preciso se isolar, milhões perderão o emprego, o amanhã será tétrico.

E o que Bolsonaro faz? Faz piada. Foi abraçar seu rebanho. Mentiu na cara dura e tripudiou. Quando nada pior parecia possível, encenou um inacreditável circo com vassalos mascarados. Cínicos, todos eles —Moro, Guedes, Mandetta etc.— recitaram platitudes e adularam o chefete.

Houve quem achasse graça. Frente ao descalabro, o humor pode ser um escape saudável. Mas há que se voltar ao inescapável: a prioridade nacional absoluta é salvar vidas e evitar a desagregação social.

É uma tarefa colossal. Requer inteligência e decisões estratégicas; a transferência de recursos imensos; a humildade de debater e aceitar posições contrárias. Médicos, enfermeiros, administradores hospitalares, funcionários públicos e trabalhadores privados estão na linha de frente.

Mais do que nunca, será preciso uma coordenação geral, alguém com visão de conjunto e que transite entre os assuntos sanitários, sociais e econômicos. Que escute, organize e delegue tarefas. Sem essa pessoa, e seu grupo de auxiliares, todo esforço poderá se perder, será vão.

Essa pessoa não é Bolsonaro. Ele só atrapalha. E atrapalhará ainda mais porque, acuado, vem acelerando bravatas e agressões para todos os lados. Tem ciúme dos subordinados e lhes puxa o tapete. Seus ministros, que se submeteram a vexames sem conta, são baratas tontas.

Era o que faltava. Não bastasse o novo coronavírus, temos um presidente que não é só um empecilho ao enfrentamento de problemas extraordinários. É um flagelo. Suas agressões são um incentivo ao desânimo, à raiva, ao caos.

Por isso, uma conclusão vem se espalhando: Bolsonaro tem que ser tirado do Planalto. Com urgência porque ele é um problema de saúde pública. Isso é fácil de falar e difícil de fazer.

O processo para apeá-lo do governo será um tumulto a mais numa situação tumultuada. Como forçá-lo a ir embora se a pandemia impede o contato social, reuniões, passeatas e atos públicos? Até onde é possível enxergar, há dois caminhos para impedi-lo de piorar a situação.

No primeiro, um setor parrudo da elite inventaria um rito sumário para outro impeachment. Algo como se fez com Dilma Rousseff, só que a pirueta parlamentar seria perpetrada na velocidade da luz. Com gambiarras jurídicas providenciadas pelo Supremo —que não se furta a essas tramoias.

Ou seja, golpe. Com apoio da opinião pública e dos maiorais, incluindo aí generais e pastores, além dos suspeitos de sempre: empresários, intelectuais etc. Com o cuidado que a manobra resultasse em Maia e não em Mourão, cruz credo.

Haveria —como reza a tradição golpista— promessa de eleições logo que desse. Mas a trama poderia ter desfecho violento. O que fazer com o presidente e sua prole bárbara? E se resistissem? Cadeia neles?

A segunda trilha seria a de o Brasil renunciar a Bolsonaro, desobedecê-lo. A gente anônima se organizaria por sua conta e risco: gerentes de hospitais, médicos, enfermeiros, professores; executivos de prefeituras e governos estaduais; profissionais, estudantes e voluntários.

A pandemia seria enfrentada de modo descentralizado. A autoorganização se daria no bojo da crise.

Em todos os níveis e capacidades, Bolsonaro e sua gangue seriam desconsiderados. A revolta se combinaria com a solidariedade, com o empenho em ajudar. Haveria perigo para todos.

O caminho do golpe é debatido nas altas esferas na calada da noite. O de retomar a iniciativa cidadã ocorre no dia a dia, à luz do sol.

Publicado originalmente na Folha de São Paulo

Compartilhe:

 

O MELHOR DO ALDEIA NAGÔ NO SEU EMAIL

CADASTRE-SE EM NOSSO NEWSLETTER:

FOTOS DOS ÚLTIMOS EVENTOS

  • 24.02.2020.457Desfile Ilê Aiyê. C Grande. Alb 4. 24 Fev 2020
  • 24.02.2020.360Desfile Ilê Aiyê. C Grande. Alb 3. 24 Fev 2020
  • 24.02.2020.215Desfile Ilê Aiyê. C Grande. Alb 2. 24 Fev 2020
  • 24.02.2020.044Desfile Ilê Aiyê. C Grande. Alb 1. 24 Fev 2020
  • 24.02.20.219Mudança, Magary, Motumbá. C. Grande. 24 Fev 2020
  • 24.02.20.129Didá & Respeita as Minas. Campo Grande. 24 Fev 2020

Parabéns Aniversariantes do Dia

loader
publicidade

ENSAIOS FOTOGRÁFICOS

GALERIAS DE ARTE

HUMOR

  • Vai prá Cuba_1
  • Categoria: Humor
Mais charges...

ENQUETE 1

Qual é o melhor dia para sair a noite?